sábado, 31 de dezembro de 2016

Lição 1: As Obras da Carne e o Fruto do Espírito

INTRODUÇÃO

Neste trimestre, estudaremos a respeito das obras da carne e o fruto do Espírito. Na Epístola aos Gálatas, o apóstolo Paulo, de maneira brilhante e contundente, trata do assunto, mostrando o embate existente entre a carne e o Espírito. Ele faz uma exposição da luta que se inicia, internamente, quando aceitamos Jesus como Salvador e procuramos viver segundo a sua vontade. Como poderemos vencer esse embate entre a carne e o Espírito? Veremos que não é possível vencer a natureza carnal mediante o autoflagelo. Para vencermos as obras da carne, precisamos, em primeiro lugar, deixar-nos dominar pelo Espírito Santo de Deus. É preciso ser cheio do Espírito Santo diariamente (Ef 5.18). Se o crente tiver uma vida controlada pelo Consolador, terá plena condição de resistir à sua natureza pecaminosa. Se permitirmos que o Espírito nos domine e nos guie vamos então produzir o fruto que nos leva a agir como discípulos de Cristo (Gl 5.16).

 O comentarista do trimestre é o pastor Osiel Gomes — escritor, conferencista, bacharel em Teologia, Direito e graduado em Filosofia; líder da AD em Tirirical, São Luís — Maranhão.

As lições que serão estudadas servirão de despertamento para os crentes a fim de que possamos alimentar, em nossas vidas, o fruto do Espírito e não ceder às obras da carne.


I – ANDAR NA CARNE X ANDAR NO ESPÍRITO

1. O que é carne?
 A palavra carne (Gr. SARX) no aspecto teológico, denota a fragilidade humana e a sua tendência ao pecado. Ela é a sede dos apetites carnais (Mt 26.41). O homem somente poderá viver em novidade de vida e no poder do Espírito Santo se, pela fé, receber Jesus Cristo como Salvador.

2. O que é espírito?
A palavra espírito (Gr. Pneuna) significa sopro, vento, respiração e princípio da vida; descreve o espírito que habita no homem o qual foi soprado por Deus (Gn 2.7).
O espírito é a parte imaterial que Deus insuflou no ser humano, transmitindo-lhe a vida. Essa palavra também é aplicada, no Evangelho de João, em referência a Deus (Jo 4.24). A Terceira Pessoa da Santíssima Trindade é identificada no Novo Testamento como o Espírito Santo (Lc 4.1; Hb 3.7), e, uma vez mais é importante frisar que o Espírito Santo é uma pessoa.

3. Andar na carne x andar no Espírito.
Os que vivem segundo a carne, ou seja, uma vida dominada pelo pecado, jamais agradarão a Deus: “Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Rm 8.8). O viver na carne opera morte (espiritual e física), mas o viver no Espírito conduz o crente à felicidade e à vida eterna (Rm 8.11; 1Co 6.14). Paulo foi enfático ao afirmar: “Andai em Espírito” (Gl 5.16). O Espírito Santo nos ajuda a viver em santidade e de maneira que o nome do Senhor seja exaltado. Sem Ele não poderíamos agradar a Deus.

A diferença entre a carne e o espírito, é que a carne foge de Deus e o espírito tem sede do Senhor.


II – OBRAS DA CARNE, UM CONVITE AO PECADO.

1. A cobiça.
Quem anda no Espírito resiste às obras da carne, pois somente cheios dEle teremos condições de viver de modo a exaltar e a glorificar o nome do Senhor. A natureza pecaminosa nos incentiva a viver em concupiscência, luxúria, desejos descontrolados e paixões impuras (2 Pe 2.10). Os desejos da carne serão sempre contrários à vontade de Deus.

2. A oposição da carne.
Precisamos ter cuidado, pois a oposição da carne contra o Espírito é algo contínuo. Essa oposição somente será vencida se procurarmos viver cheios do Espírito Santo. A carne não pode ter vez na vida do crente, posto que a força do Espírito Santo é maior, porém o embate entre a carne e o Espírito vai perdurar até o dia que receberemos do Senhor um corpo glorificado (Fp 3.21).

Ou você serve a Deus e permite que Ele domine sua natureza adâmica ou vive na prática das obras da carne. O que você escolhe?

A carne não tem mais poder sobre o crente quando este entrega a direção da sua vida ao Espírito Santo.


III – FRUTO DO ESPÍRITO, UM CHAMADO PARA SANTIDADE.

1. O que é o fruto do Espírito?
O fruto do Espírito são os hábitos e princípios misericordiosos que o Espírito Santo produz em cada cristão. Esses hábitos e princípios são o resultado de uma vida de comunhão com Deus. Os dons espirituais são dádivas divinas, mas o fruto precisa ser desenvolvido, cultivado. Isso acontece à medida que nos aproximamos de Deus e procuramos ter uma vida de comunhão e santidade.

2. Os frutos provam a nossa verdadeira santidade.
O arrependimento genuíno é evidenciado pelos nossos frutos, ou seja, nossas ações. Como conhecemos uma árvore? Por seus frutos. Logo, o verdadeiro crente é reconhecido por seu caráter e suas ações.

3. A santidade que o Espírito Santo gera em nós.
O Espírito Santo nos molda e nos ensina o que é certo e o que é errado à medida que buscamos a Deus em oração, leitura da Palavra e jejuns. Por meio da Palavra de Deus, o Espírito Santo vai trabalhando paulatinamente em nós, até que alcancemos a estatura de homem perfeito (Ef 4.13). Quando deixamos de ser meninos, estamos prontos para produzir bons frutos (Lc 8.8). O crente precisa andar em novidade de vida, em santidade. Segundo os pressupostos bíblicos, a santificação do crente é:

a) Posicional. Quando, por meio da fé, aceitamos Jesus Cristo como nosso único e suficiente Salvador, nossos pecados são apagados, recebemos o perdão divino e passamos a desfrutar de uma nova vida em Cristo (2Co 5.17). Mediante a fé passamos a desfrutar de uma nova posição espiritual em Jesus Cristo.

b) Progressiva.
Depois do novo nascimento, o crente precisa crescer na graça e no conhecimento de Cristo Jesus (1Pe 3.18). A santificação é gradual, progressiva e nos leva para mais perto de Deus.

c) Final. Essa transformação final somente acontecerá quando recebermos um corpo glorificado e nos tornarmos semelhantes a Jesus (1Jo 3.2).

O fruto do Espírito produz a santificação na vida do crente que se manifesta de forma posicional, progressiva e final.


CONCLUSÃO

Para vencermos o conflito existente entre a carne e o Espírito, precisamos tão somente nos encher do Espírito Santo e crucificar a nossa carne com suas paixões e concupiscências (Gl 5.24; Ef 5.18). Permita que o Espírito Santo guie você pelo caminho certo e que Ele controle os seus desejos de modo que o fruto seja evidenciado em sua vida.








terça-feira, 20 de dezembro de 2016

A importância do Professor da Escola Dominical

Texto bíblico: Esdras 7.8-10


A Escola Dominical é a mais importante escola teológica. Ela possui currículos direcionados a todas as faixas etárias: berçário, primários, juniores, adolescentes, juvenis, jovens e adultos. Cada revista traz uma linguagem específica para a classe a que se destina, com o objetivo de facilitar o entendimento do tema proposto.
O pastor que quiser ter uma Igreja teologicamente saudável e com crentes maduros, deve priorizar a Escola Dominical, investindo tempo, preparo e recursos didáticos e financeiros. Entretanto, para que tenhamos uma boa escola, o mais importante, obviamente, é que tenhamos bons professores.
Abaixo, listo alguns requisitos básicos, para que alguém se torne um bom professor da Escola Bíblica Dominical:

1. Chamada de Deus. (Ef 4.11)
Como acontece com outros ministérios na Igreja, para se exercer o ministério do ensino também é preciso ter chamada de Deus. Se Deus não chamou alguém para ensinar, não adianta insistir que não dará certo.

 2. Preparo teológico.   Ninguém consegue dar uma boa aula, se não dominar o assunto que vai abordar. O ideal seria que os nossos professores tivessem, no mínimo o curso básico em teologia. Mas, como nem sempre isto é possível, devido às dificuldades de algumas Igrejas, é indispensável que conheça as doutrinas fundamentais do Cristianismo.

3) Preparo da aula.
Ninguém consegue dar uma boa aula de improviso, mesmo que conheça um pouco do assunto. É preciso estudar bem a lição, identificando as possíveis dúvidas dos alunos e preparar as respectivas respostas. No preparo de uma aula, o professor deve preencher os seguintes requisitos:

a) Tema: Assunto que será abordado
b) Objetivo: Aquilo que o professor pretende que o aluno aprenda.
c) Atividades: Treinamento prático do conteúdo ensinado (exercícios, perguntas, dinâmicas, etc)
d) Avaliação: Verificação do aprendizado. Deve ser feita no final da aula, para que o professor verifique o desenvolvimento do seu aluno.

4) Santidade.
Para ser um professor, é indispensável ser IRREPREENSÍVEL. Ninguém leva a sério um ensino que não é praticado por quem o transmite. A idéia do ‘faça o que eu digo, mas, não o que eu faço’, não funciona. O apóstolo Paulo recomendava aos seus liderados que fossem ‘seus imitadores’.

5. Oração
O professor da Escola Dominical precisa orar e pedir que o Espírito Santo fale à Igreja através dele. O ensino bíblico não pode ser apenas transmissão de teoria. Deve ter a sabedoria e o poder de Deus, para que seja eficiente. Tiago falou que “se alguém tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, não lança em rosto e ser-lhe-á dada”. (Tg 1.15)

6. Assiduidade e pontualidade
O professor não deve faltar à aula, exceto em casos justificáveis e com aviso prévio à coordenação da Escola. Isso incentiva os alunos a fazerem o mesmo. O professor também deve ser o primeiro a chegar, para orar um pouco e depois, recepcionar aos seus alunos.

7) Amor à Escola Dominical e à Palavra de Deus.
A EBD não é lugar para ninguém se promover. Também não é um departamento para se ganhar dinheiro ou ser reconhecido. Aqueles que não ensinarem por amor, não irão muito longe.

8) Responsabilidade e dedicação.

O professor é o responsável pelo crescimento e amadurecimento espiritual dos seus alunos. Por isso, deve sempre se perguntar: O que vou ensinar hoje? Estou preparado? Os meus alunos compreendem o que estou ensinando? Se eu faltar, quem me substituirá? Algum aluno parou de frequentar? Por qual motivo? É preciso muito cuidado para não perder a confiança dos alunos.


CONCLUSÃO

Deus continua chamando professores para ensinar a sua Palavra. “A quem enviarei e quem há de ir por nós”? (Is 6.8) Há alguém disposto a obedecer ao seu chamado? Quem estiver disposto, precisa se preparar. “Se é ensinar, haja dedicação ao ensino.” (Rm 12.7 b). Nós temos a nobre missão de ensinar a Igreja a guardar tudo o que o Senhor Jesus nos mandou. (Mt 28.19)

Sobre o fechamento do Congresso Nacional, deposição do Presidente da República e intervenção militar



Em uma democracia, que é o nosso regine regime de governo, a Lei máxima é a Constituição Federal.
A nossa Constituição não prevê em nenhum dos seus artigos, o fechamento do Congresso Nacional. Isso seria péssimo, pois, é lá a casa das leis, que tem o poder de criar leis e fiscalizar o Executivo. Se não o faz, é o povo que deve substituir os seus integrantes nas urnas.
Outrossim, o artigo 142 da Constituição não trata de deposição do Presidente da República, nem autoriza a intervenção militar, como muitos espalham na internet, querendo justificar um golpe militar.
A deposição do Presidente da República está prevista nos artigos 85 e 86, pelo Congresso Nacional, através de processo de impeachment, pela maioria de 2/3 na Câmara e no Senado.
Qualquer saída 'mágica' diferente disso é golpe e nós já vimos esse filme. Certamente não acaba bem.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Requisitos bíblicos para o Episcopado

Requisitos bíblicos para o Episcopado
(1 Timóteo 3.1-7)

Pb.Weliano Pires

A palavra 'Bispo' (Gr. Episkopos) significa superintendente ou supervisor de Igrejas. Em termos práticos,  do ponto de vista assembleiano seria um pastor presidente de um campo.
O episcopado ou pastorado é uma obra (V.1), não é um status ou posição de destaque,  como se ver na atualidade.
Qualquer cristão, com o mínimo de conhecimento sobre administração eclesiástica, um pouco de honestidade e que não seja um fanático por sua denominação,  sabe que na atualidade vivemos uma crise de liderança evangélica segundo os padrões bíblicos. Temos pessoas sem nenhuma vocação ou preparo e até pessoas sem escrúpulos,  em cargos importantes na liderança de Igrejas.
No capítulo 3, da primeira Epístola a Timóteo,  o apóstolo Paulo, recomenda alguns requisitos para alguém que deseja se tornar um bispo,  ou um líder regional de Igrejas.

1) Irrepreensibilidade.
Que não tem motivos para ser repreendido.  O obreiro precisa ter uma conduta ilibada e ser exemplo para a Igreja. Um obreiro que tem uma vida suja e não dá testemunho é desastre para a saúde da Igreja.

2) Monogamia (Marido de uma mulher)
Deus criou o homem e a mulher e os uniu dizendo: serão ambos uma só carne. Portanto,  é inadmissível o obreiro ser polígamo,  adúltero,  divorciado,  etc. Na atualidade,  lamentavelmente,  temos visto pessoas que traíram a esposa ou trocaram de esposa sendo empossados na presidência de campos.  Eu fico imaginando alguém com este perfil realizando cerimônias de casamento. Como irão recomendar a fidelidade e que o casamento dure até que a morte os separe, sem serem hipócritas?

3) Vigilância
O pastor é um dos alvos prediletos do diabo,  pois, o inimigo sabe que se conseguir derrubar um pastor, o escândalo será enorme. Muitos cairão com ele e outros ficarão decepcionados. Por isso, o obreiro deve vigiar em todo tempo,  para não cair em tentação.
4) Honestidade
Honesto é aquele que é verdadeiro em tudo o que faz e cumpre com os seus compromissos. Um pastor precisa ter credibilidade,  falando sempre a verdade,  cumprindo o que promete e pagando o que deve.
5) Hospitalidade
Nos tempos bíblicos havia muitos viajantes que andavam vários dias e até meses. Estas pessoas precisavam de apoio para descansar, antes de seguir viagem, principalmente,  os missionários.  Por isso há várias recomendações aos cristãos para que fossem hospitaleiros. Hoje,  não é recomendável hospedar desconhecidos em nossas casas, mesmo que se digam cristãos,  por questões de segurança.  É preciso ter cautela e ajudar de outra forma.
6) Aptidão para ensinar
Uma das principais tarefas do pastor é ensinar a Palavra de Deus. Para isso,  evidentemente,  ele deve se preparar teologicamente e em oração,  para ensinar a Sã Doutrina. É inadmissível termos alguém na liderança da Igreja que não conhece a Palavra de Deus ou não tem aptidão para enainá-la.
7) Sobriedade.
A sobriedade é a característica de uma pessoa sensata e equilibrada.  É o contrário de ébrio ou bêbado,  que age sem saber o que está fazendo. Um pastor não pode agir irresponsavelmente,  precipitadamente,  ou por impulso.  É preciso, orar e pensar antes de tomar decisões.

8) Não dado ao vinho.
Há diversos textos na Bíblia que falam contra o uso de vinho ou bebida forte. Há também exemplo de pessoas que por estarem embriagados, cometeram loucuras, como Noé, Ló, Belsazar, etc. Infelizmente, há obreiros que se deixaram influenciar pela teologia liberal e acham que não há problema em consumir bebida alcoólica. Mas, é um grande engano. A bebida prejudica em todos os aspectos: físico, moral, espiritual e social.

9) Não violento
Um obreiro não pode jamais espancar alguém, seja a esposa, filhos, ou quem a ele se opor. Jesus nos recomendou a aprendermos com Ele, a sermos mansos e humildes de coração. Portanto, pessoas com temperamento forte e que gostam de resolver as desavenças ‘no braço’, não podem ser pastores.

10) Não ganancioso, mas, moderado.
Na atualidade vemos alguns obreiros que querem atuar na Igreja como se estivessem em um leilão: Quem der mais, leva. O objetivo de um pastor nunca poderá ser financeiro. Ele é digno do seu salário, mas, isso é um detalhe, não o seu objetivo final.

11) Não avarento
A avareza é uma espécie de idolatria. Paulo diz que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. A pessoa que ama o dinheiro comete as piores coisas para ganhar dinheiro: roubos, sequestros, corrupção, injustiça, assassinatos, etc. Por isso alguém que é avarento não pode ser pastor.


12) Bom pai de família
O pastor é o exemplo para Igreja. Portanto, aquilo que ele ensina, deve ser visto na sua família. A família do pastor é sempre observada como o exemplo da Igreja, seja para que bem ou para o mal. A esposa e os filhos menores dos pastores não podem dar maus exemplos. O pastor deve orar d orientar a sua família em casa. A primeira Igreja que devemos pastorear é a nossa família.

13) Não ‘neófito
A palavra 'neófito' vem de duas palavras gregas: 'Neo' (novo) e 'Fide' (Fé). Portanto, significa 'novo na fé', ou 'inexperiente'. Um pastor precisa ter experiência e maturidade para exercero seu Ministério. Não é recorecomendável ordenar um novo convertido ao meu pastorado, pois, ele pode não aguentar a carga e morrer espiritualmente. O ideal seria que todos os pastores fossem primeiro auxiliares, ao lado de um pastor mais experiente, antes de assumir a primeira Igreja.

14) De boa reputação
Alguém já disse: Não basta ser honesto, tem que parecer honesto. O caráter é aquilo que nós realmente somos e a reputação é aquilo que as pessoas pensam de nós. Na vida do obreiro, o caráter é fundamental, mas, a reputação também é importante. Um pastor, mesmo que tenha caráter, se não tiver boa reputação, acaba prejudicando a obra , Deus. Devemos prestar atenção onde e com quem andamos, para evitar má impressão ou manchar a nossa reputação.


Conclusão
É urgente que a Igreja Evangélica brasileira se volte para os padrões bíblicos,  para ordenar pastores. Se não fizer isso, o retrocederemos aos padrões da Igreja Católica na Idade Média,  que tinha um clero vergonhosamente corrupto, imoral, distante do povo e das Escrituras.
Antes de sermos pastores,  precisamos ser salvos e tementes a Deus.  Paulo recomenda a Timóteo que, em tudo ele deveria ser exemplo para os fiéis.  Pedro também recomenda os presbíteros a apascentarem o rebanho de Deus, não como dominadores, mas, servindo de exemplo ao rebanho.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Critérios da Assembléia de Deus para a consagração de obreiros.


"A ninguém imponhas precipitadamente as mãos, nem participes dos pecados alheios; conserva-te a ti mesmo puro."
(1 Timóteo 5.22)

Separar obreiros é uma tarefa do pastor da Igreja. Não é algo fácil de se fazer, pois, o pastor não é onisciente e está sujeito a erros. Escolhas erradas trazem grandes prejuízos à Igreja e podem prejudicar o próprio obreiro escolhido, pois, se ele não tiver chamada para o Ministério ou não estiver preparado, pode se decepcionar e até morrer espiritualmente.
Devido a muitos problemas enfrentados ao longo de sua história centenária e pensando em melhorar o perfil dos seus obreiros, o Ministério do Belém estabeleceu alguns critérios, para a separação de obreiros, a partir de diácono. Infelizmente, nem todos os pastores seguem estas recomendações e usam o famoso 'jeitinho brasileiro', para burlarem as regras. Mas, bom seria se todos seguissem estes critérios, para benefício da própria Igreja.

1) Deve ter pelo menos três anos como membro da Igreja.
Uma das recomendações bíblicas de Paulo a Timóteo para a ordenação de Presbíteros, é que este não fosse 'neófito'. Esta palavra vem de duas palavras gregas: neo (novo) e fide (fé). Portanto, significa 'novo na fé' ou novo convertido. É preciso um certo tempo de conversão, para que o novo crente saiba o que significa ser cristão e seja lapidado pelas provações, para que possa pensar em ser um obreiro.

2) Deve ser batizado no Espírito Santo.
A Assembléia de Deus é uma Igreja pentecostal, ou seja, acreditamos na atualidade dos dons do Espírito Santo. Entendemos que o Batismo no Espírito Santo é um revestimento de poder, que capacita o crente para fazer a obra do Senhor com fé e ousadia. O próprio Jesus, antes de subir ao céu, ordenou aos seus discípulos que ficassem em Jerusalém, aguardando o revestimento de poder, para depois saírem pelo mundo pregando o Evangelho. Sendo assim, não faz sentido consagrar um obreiro que ainda não teve esta experiência com Deus.

3) Deve ter pelo menos o curso básico em teologia.
Uma das principais tarefas do obreiro é pregar o Evangelho. Para fazer isso, evidentemente, ele deve conhecer a Palavra de Deus. O curso básico em teologia ensina o básico das doutrinas fundamentais da fé cristã. O correto seria que todo obreiro concluísse pelo menos o curso médio, pois, este nível tem matérias relacionadas ao exercício do ministério. Mas, devido às dificuldades, o ministério exige apenas o básico. Mesmo assim, alguns pastores vinham aceitando que o candidato apenas estivesse matriculado na escola teológica. O problema é que alguns se matriculavam e após a consagração, nunca mais apareciam na escola. Isso além de nos trazer obreiros despreparados, trouxe dificuldades para os nossos seminários, que investiam em instalações e materiais para novos alunos, que desistiam logo em seguida.

4) Deve ser casado e ter uma carta da esposa, atestando a sua conduta cristã.
O apostolo Paulo falou que tem não tem cuidado da sua família não pode cuidar da Igreja de Deus. (1 Timóteo 3.5). Há muitos crentes que na Igreja são uma pessoa e em casa são outra. Na Igreja são exemplos de amor e simpatia. Mas, em casa são um terror para a esposa e filhos. Pensando nisso, o Ministério resolveu envolver a esposa na escolha do obreiro, pois, é a pessoa que mais o conhece. Além disso, há esposas que não querem que o esposo seja obreiro e se tornarão uma pedra de tropeço para o ministério dele. Um obreiro precisa ser bem casado.

5) Deve ter o nome limpo na praça.
O Ministério pede uma certidão negativa do cartório da cidade onde o candidato a obreiro reside e dos cartórios da região. Se ele tiver problemas com o SPC e SERASA, a sua consagração não é aprovada. É justo que se faça isso, pois, o crente deve ser honesto. Se o obreiro compra e não paga trará problemas e escândalo para a Igreja.

6) Deve ser dizimista.
Todo o patrimônio das nossas Igrejas e as despesas de funcionamento destas são pagos com dizimos e ofertas. Seria, portanto, injusto e incorente, alguém que não contribui exercer cargos na Igreja e usar a estes recursos, com os quais ele não concorda.

Estes são os principais requisitos que precisam ser comprovados para o Ministério, para evitar que maus obreiros sejam consagrados. Porém, há muitos outros, que devem ser considerados pelo pastor local, comos vida de oração e santidade, frequência regular nos cultos, principalmente na Escola Dominical e cultos de ensino, evidência da chamada de Deus, submissão à liderança da Igreja, etc. Para que tenhamos Igrejas sadias e a pregação do Evangelho avance, necessitamos urgente de bons obreiros. Os critérios acima, certamente ajudarão o Ministério a selecionar melhor os seus obreiros. Entretanto, o mais importante é orar, para que o Senhor que conhece os corações, mostre à nossa liderança, quem deve ser consagrado e quem não deve.
Que cada um de nós seja fiel ao Senhor da Seara, pois, o nosso trabalho na obra do Senhor não é em vao.

Pb Weliano Pires

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Adorando a Deus em meio a calamidade



O que fazer quando uma nação se divide? Quando a aliança que outrora a unia se faz quebrada? Foi o que aconteceu com o Israel do período posterior ao reino do rei Salomão. Mediante a decisão do rei Roboão, filho de Salomão, em aumentar mais vezes o imposto que já era pesado, houve uma rixa inevitável entre as dez tribos do Norte e as duas do Sul. O reino se dividiu, por consequência, a religião também. Agora não haveria somente Judá e Jerusalém, haveria Israel e Samaria.

A divisão foi tão aguda que persistiria até a época de Jesus: “Jesus enviou estes doze e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho das gentes, nem entrareis em cidade de samaritanos” (Mt 10.5). Samaritanos e judeus não se davam, pois devido ao acúmulo de rixas e de desentendimentos irreparáveis em relação à Lei, ambos os grupos optaram pela divisão. Os samaritanos passaram aceitar como escritos inspirados o Pentateuco, e os profetas foram por eles rejeitados por causa da sua origem do sul. Os samaritanos também não aceitavam que o verdadeiro templo ficava em Jerusalém nem que o monte verdadeiro chamava-se Sião. Para eles, Samaria era a capital sagrada e o Monte Gerezim, o monte do único templo. Claro que para chegar a esse ponto foi necessário um trabalho complexo de aculturação religiosa. Jeroboão foi a pessoa fundamental para construir a religião dos samaritanos (1Rs 12.26-33).

Nesse contexto de lutas e desentendimentos étnicos, surge o rei Josafá de Judá. Podemos classificar o reino do rei Josafá como um dos instrumentos importantíssimo para um reavivamento espiritual para a nação de Israel. A característica desse reinado ressalta isso. O cuidado com a instrução do povo em relação à Lei de Deus, ordenando os levitas e sacerdotes que ensinassem publicamente a Palavra da Lei. O resultado foi o temor do Senhor sobre a nação e sobre os reinos ao redor de Judá (2Cr 17.7-10).

Assim como as Escrituras mostram que num contexto de idolatria e imoralidade Deus pode reavivar o seu povo, a História da Igreja também mostra que em momentos difíceis da Igreja, Deus restabeleceu seus “púlpitos”, a Palavra teve primazia e um desejo incomensurável de buscar a Deus em oração devorava os corações dos irmãos. Isso aconteceu na Inglaterra, na Grã-Bretanha, na América, na África, na China, na Manchúria, na Coreia, na índia e em muitos outros lugares. É possível um grande avivamento em meio à crise!


(Revista Ensinador Cristão/ CPAD)

Aborto não é foro íntimo das mulheres

Comentário que publiquei há um tempo atrás, sobre o aborto no Jornal Folha de São Paulo, em resposta a um artigo do jornalista Hélio Schwatsman, que dizia que 'o aborto é uma questão de foro íntimo das mulheres':

"O aborto não é uma questão de "foro íntimo das mulheres" e o ser que está no ventre dela não são "suas vísceras". Foro íntimo das mulheres é o que elas fazem com o próprio corpo. Matar um ser humano não é, nem pode ser, uma decisão da mulher. O novo ser humano que foi gerado não é uma extensão do corpo da mãe. Também não tem culpa das circunstâncias que o levaram a ser gerado e não pode pagar com a vida por erros de outrem."

Aborto não é questão de "foro íntimo das mulheres", afirma leitor http://folha.com/no1740574 Via Folha de S.Paulo


segunda-feira, 31 de outubro de 2016

O DIA DA REFORMA PROTESTANTE


No dia 31 de Outubro de 1517, Martinho Lutero fixou as suas 95 Teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, Alemanha. Tinha início o grande movimento chamado de "A Reforma Protestante". Lutero protestava contra a venda de indulgências pela Igreja Católica. Era a venda de perdão e favores divinos, que trazia muito ouro aos cofres da igreja. Usavam inclusive uma frase de marketing que dizia mais ou menos o seguinte: “Quando as suas moedas tilintarem nos cofres da igreja, a sua alma terá saído do purgatório para o céu”. Esse dinheiro era usado para a construção da Basílica de São Pedro em Roma.

As 95 Teses de Lutero questionavam diversas doutrinas católicas e colocavam em xeque todo o poderio do catolicismo.

Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os “Cinco Solas”:

1- Só Cristo é o Senhor (Solus Cristus). Não se admite outra pessoa capaz de oferecer salvação além de Jesus Cristo (João 14.6; Atos 42)
2- Só a Escritura como única regra de fé e prática (Sola Scriptura) Não se admite nenhum escrito sagrado, que possa ter autoridade igual ou superior à Bíblia Sagrada, em assuntos de Fé e prática. (João 17.17; Hebreus 4.12; Salmo 119).
3- Só a Graça de Jesus (Sola Gratia): Não há nada que o ser humano possa ou precise fazer para a aquisição da Salvação. Ela é fruto da Graça (Favor imerecido de Deus).
4- Só a Fé em Cristo (Sola Fide): A Salvação é um favor oferecido gratuitamente por Deus, que é recebido unicamente pela FÉ (Confiança inabalável em JESUS CRISTO, capaz de gerar a obediência). (Efésios 2.8-10) "Sem fé é impossível agradar a Deus..." (Hebreus 11.6). A fé sem as obras é morta e as obras sem a fé não podem salvar.
5- Só a Deus a glória! (Soli Deo Glória) A Reforma Protestante reafirmou este princípio bíblico, segundo o qual, somente DEUS é digno de glória. Não podemos glorificar ou adorar a outra pessoa que não seja Deus, pois, isto constitui-se em pecado de idolatria. Não podemos cultuar aos pastores, anjos, apóstolos, Maria, etc. (Exodo 20.4; Salmo 115).
Um ponto alto da Reforma Protestante foi a defesa do “Sacerdócio universal do Crente” (I Pedro 2:9). Segundo este princípio, todo crente tem acesso direto a Deus, sem precisar de intermediários humanos. No Antigo Testamento havia as figuras dos sacerdotes e do Sumo Sacerdote, que representavam a Cristo e ofereciam sacrifícios e intercediam pelo povo a Deus. Na Nova Aliança, o véu do templo se rasgou e temos acesso direto a Deus.
O resultado da Reforma Protestante foi o surgimento das chamadas igrejas protestantes, que popularizaram a leitura da Bíblia, trazendo o povo de volta aos princípios da Palavra de Deus.
Certamente, muitas reformas ainda virão, até à volta de Cristo, pois, sempre que a Igreja se afastar da Bíblia, Deus levantará servos seus, para defender a fé que uma vez nos foi dada e combater as heresias. A Igreja precisa sempre estar aberta a refornar-se e analisar sempre as suas doutrinas e práticas à luz da Bíblia. Isto serve também para as Igrejas evangélicas, muitas das quais, tem se afastado da Sã Doutrina e aderido a práticas do paganismo, com objetos supostamente milagrosos e vendas de bênçãos divinas.
Jesus disse: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8:32). Portanto, nada de “bruxaria, fantasmas, caveiras, espantalhos, doces consagrados, rosas santas, toalhas e lenços com suores de apóstolos, objetos vindos de Israel, peregrinações, etc.
Agora que conhecemos a verdade, convidamos você a celebrar Jesus e dar a Ele e só a Ele a Glória que lhe é devida. Renda-se a Jesus e Ele promoverá a maior reforma e transformação na sua vida.

Soli Deo Glória!

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Crime eleitoral na Igreja, mais uma vez! Até quando?

Mais uma vez, em nossa Reunião mensal de obreiros em Osasco, o nosso pastor setorial, José Amaro, afrontou a lei eleitoral e desrespeitou a Igreja que pastoreia há 25 anos.
Como fizera na última reunião antes do primeiro turno, quando pediu votos para o seu candidato a vereador Rubinho Bastos e para o seu candidato a prefeito Jorge Lapas, usando o púlpito da Igreja, hoje, ele repetiu a mesma ação criminosa.
Além de abrir a oportunidade para o candidato falar e pedir apoio na Igreja, o que é proibido por lei, ainda ousou, ele nesmo fazer propaganda da administração medíocre do Lapas e pedir para que os irmãos o apoiassem, o que também é crime eleitoral.
Era notória a desaprovação da maioria dos obreiros a essa atitude do pastor e do candidato, principalmente, eu. Não por ser adversário do Lapas e do PT, mas, não concordar que a Igreja seja usada como palanque eleitoral de quem quer que seja.
Após falar, dizendo-se cristão, o candidato saiu e um obreiro o retrucou, dizendo:
-Quem é de Deus, fica para ouvir a Palavra de Deus!
Após este episódio desagradável, foi dada a oportunidade para o Pastor Luiz Carlos trazer uma mensagem da Palavra de Deus. Ele leu em Neemias capítulo 4 e trouxe uma boa reflexão para os obreiros. O clima voltou a ser espiritual. Os obreiros prestavam a atenção na Palavra e glorificavam a Deus.
Faltando 15 minutos para o término da reunião, entrou o candidato Rogério Lins, dois apoiadores seus e fotógrafos para todo lado. Foi como jogar um balde de água fria. O Pastor Luiz ficou até sem jeito e encerrou a mensagem. O obreiro que havia retrucado ao candidato Lapas, gritou lá atrás:
-Agora deixe ele falar também!
Eu respondi do meu lugar, ao lado do candidato, para ele ouvisse:
-Deixe não! Aqui não é lugar para políticos falarem!
Após falar isso, escrevi um bilhete para o candidato Rogério Lins e o entreguei a um dos seus assessores, com as seguintes palavras:
"Candidato, o seu adversário acabou de cometer crime eleitoral, usando o microfone da Igreja, para pedir apoio. Não cometa o nesmo crime".
O pastor, talvez por constrangimento, deu a oportunidade para o candidato falar, dizendo que ele 'não tinha preferido' e que qualquer um que ganhasse estaria bom. A atitude anterior dele, em relação ao outro candidato, desmente esta afirmação, pois, ele tem usado a Igreja para pedir votos para o Lapas.
Eu já havia determinado em meu coração, depois da última reunião, que não frequentaria mais as reuniões de obreiros em nossa Sede, por causa desta postura vergonhosa do nosso pastor. Mas, como é o único trabalho da Sede que eu ainda frequento, pensei melhor e resolvi ir hoje. Como me arrependi! Teria ganho muito mais, se tivesse ficado em casa com a família.
Até quando, vamos tolerar esta vergonha em nossa Igreja? Onde estão estão os assembleianos, homens de Deus, que não protestam contra esta aberração, que tanto prejudica a espiritualidade dos nossos cultos e reuniões de obreiros? Não tenho nada contra o cristão ser político. Mas, se acha que não tem chamada para o Ministério e quer seguir a carreira política, peça exoneração do cargo e vá fazer política. Respeite a lei e a Igreja de Deus.
Não sei se o pastor está sendo mal assessorado ou se faz isso por vontade própria. O fato é que isso está levando-o ao descrédito e tornando-o indigno do cargo que ocupa. Espero que Deus o desperte.


Com tristeza no coração,

Pb Weliano Pires

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Desvio de função compromete a qualidade da segurança na USP.


A partir de hoje, a USP está substituindo os seus vigilantes terceirizados, em alguns postos de vigilância, por 'controladores de acesso'.
Esta é uma prática nefasta, praticada há muito tempo por empresas picaretas,  com o objetivo de pagar menos aos profissionais de segurança, subtraindo-lhes os direitos trabalhistas. Usam as nomeclaturas de fiscal de tráfego, fiscal de piso, controlador de acesso, etc. para não contratarem vigilantes.
A função de vigilante é regulamentada pela Lei 7.102/83 e fiscalizada pela Polícia Federal. Possui registro no Ministério do Trabalho e é exigido por lei, o Curso de Formação de Vigilantes e a respectiva reciclagem a cada dois anos. O referido curso tem a duração de 20 dias (220 horas) e tem em seu currículo as disciplinas de noções de direito penal, prevenção e combate a incêndios,  primeiros socorros, armamento, munição e tiro, segurança física das instalações,  defesa pessoal,  relações humanas no trabalho, etc. Além disso, para exercer a função de vigilante é obrigatório passar por um exame psicotécnico e não ter antecedentes criminais.
O controlador de acesso, por sua vez, é apenas alguém que sabe ler e escrever.  Não tem nenhuma exigência legal para se exercer a função, não tem piso salarial obrigatório e não há preparação técnica para cuidar de segurança das pessoas e do patrimônio.
Substituir um vgilante profissional por outra função, pensando apenas no aspecto financeiro,  visando uma suposta redução de gastos é deixar de priorizar a qualidade do serviço de segurança e é um grande equívoco.  Isto porque, esta aparente redução de gastos acaba sendo revertida na Justiça do Trabalho, pois, os trabalhadores acabam processando a empresa pelo desvio de função, cobrando equiparação salarial e os demais direitos inerentes à função de vigilante.
Um vigilante tem direito a um piso salarial nacional e um adicional de periculosidade de 30% previstos em Lei. Nenhuma empresa pode pagar menos do que isso. Portanto, se uma empresa altera a nomenclatura funcional, para não pagar os devidos direitos,  o trabalhador irá acionar a Justiça posteriormente.
Não tenho dúvidas, de que o serviço de segurança da USP, que já é precário, será muito prejudicado por esta medida.
O que me causa espanto é uma Universidade do porte da USP se deixar enveredar por esta prática adotada apenas por empresas que não respeitam aos trabalhadores e não se preocupam com a qualidade do serviço.

Weliano Pires,
Agente de Vigilância da Guarda Universitária

domingo, 18 de setembro de 2016

Sugestões a Valmir Prascidelli


Li numa reportagem do Jornal Visão Oeste, que o candidato Valmir Prascidelli (PT) está defendendo as 'obras do PT' e criticando à 'má gestão do Jorge Lapas'. Resolvi, então, fazer-lhe algumas sugestões de 'obras do PT' , para que ele as defenda:

Senhor Prascidelli,
Se o senhor ousa defender o indefensável (as obras do PT) vou lhe dar algumas sugestões:

1) O mensalão. Esta sim, foi uma grande obra do PT, que o seu padrinho político João Paulo Cunha foi protagonista, sendo inclusive, preso por isto.
2) A corrupção na Bancoop. Esta é outra grande obra do PT, que prejudicou milhares de bancários, beneficiando lideranças petistas.
3) A falência dos fundos de pensão. Funcionários da CAIXA, Correios, Banco do Brasil e Petrobrás, investiram o seu suado dinheiro em fundos de pensão para terem uma aposentadoria digna. Mas, os governos do PT acabaram com esse dinheiro.
4) O petrolão. Considerado o maior esquema de corrupção do mundo, liderado pelo PT e com a participação do PMDB e do PP, este esquema desviou muitos bilhões de reais da Petrobrás, com obras superfaturadas e pagamentos de propinas. Eduardo Cunha era só um pequeno participante. O MPF e a Polícia Federal denunciaram agora que o seu ídolo, Lula era o chefe e maestro dessa roubalheira.
5) O bilhete Único de Osasco. Prometido na campanha do petista Emídio em 2004, esta ‘obra’ nunca saiu do papel.
6) As máquinas de Zona Azul. Esta é uma das maiores obras do PT em Osasco. Instalaram cobranças de estacionamento até no entorno de cemitérios.
7) As obras do Morro do Socó. Faz oito anos que derrubaram a minha casa lá e a de muitos moradores e até hoje não terminaram, nem pagam o bolsa aluguel. Quase duzentas famílias tiveram as suas casas derrubadas e ainda aguardam receberem um apartamento que nunca chega. Detalhe: a maioria delas, inclusive eu, não estavam em área de risco. Há muitos barracos no morro, em áreas de risco, que não saíram.
6) O fim do velório do Jardim Helena Maria. O prefeito Emídio derrubou o velório e deixou-o abandonado, servindo para consumo de drogas e fazer necessidades fisiológicas.
8) O governo de Jorge Lapas. Se este governo é incompetente e não sabe administrar, ele é mais uma obra do PT. Em 2012, no auge do julgamento do mensalão, quando o candidato do PT, João Paulo, foi preso, o PT tirou do bolso Jorge Lapas, que nunca tinha sido político. Após perderem as eleições, orquestaram no tapetão, para assumirem o poder.
Agora que Lapas, viu o barco do PT afundar e, astutamente caiu fora, junto com os seus seguidores, o PT quer demonizá-lo.

Estas e outras, são as obras do PT, que o senhor deve defender, Valmir Prascidelli.

http://www.visaooeste.com.br/prascidelli-defende-obras-do-pt-na-cidade-e-critica-gestao/#comment-19919

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Pastor desrespeita Lei eleitoral e pede votos publicamente no Templo da Assembléia de Deus, em Osasco.

Ontem, em nossa reunião de obreiros, após uma exposição fervorosa da Palavra de Deus, por um missionário americano, o nosso pastor setorial, pegou o microfone e ordenou que desligassem a transmissão pela internet. Eu já imaginava que ele faria alguma coisa errada, devido ao período eleitoral e ao que ele tem feito nas últimas eleições.
Pois bem, contrariando a lei, conforme exposto na Lei 13.615 / 2015, o pastor começou a pedir votos para o candidato a vereador dele, que segundo ele, 'fez muito pela nossa Igreja'. Não satisfeito com esta ilegalidade, ainda ousou pedir votos para o atual prefeito e candidato à reeleição.
Era notória a reprovação da maioria dos obreiros a esta aberração.
Depois de alguns minutos, um homem de Deus se levantou e reprovou em alta voz, esta atitude do pastor, dizendo entre outras coisas, para deixar de conversa fiada. Em seguida, fez o que todos nós deveríamos ter feito: retirou-se do local.
Até quando teremos que conviver com uma vergonha dessa na Igreja? Chega de politicalha e abusos! Os crentes são livres para votar em quem quiser e a Igreja não é palanque eleitoral. Quer ser político? Renuncie ao pastorado e vá fazer política.

sábado, 10 de setembro de 2016

Você acha que o Deputado Eduardo Cunha deve ser cassado e perder os seus direitos políticos? 



Eu acho que ele não deveria ser cassado pelas seguintes razões:

1) Ele não inventou a corrupção;
2) Ele foi eleito por voto popular em eleições diretas e cassar o seu mandato seria desrespeitar aos votos que ele recebeu;
3) Ele foi eleito presidente da Câmara, dentro da lei pela maioria dos deputados;
4) A Câmara dos Deputados tem muitos corruptos, iguais ou piores do que ele e corruptos não têm moral para julgar ninguém;
5) Se os outros também são corruptos, o certo seria realizar novas eleições e deixar o povo decidir
6) Cassar o mandato de alguém que foi eleito seria um golpe na democracia.

No caso de cassarem o mandato, ele não deveria perder os seus direitos políticos, pois, ele ainda não tem idade para se aposentar e poderia trabalhar como professor universitário, ou outra função pública, para sustentar a sua família. Não podemos puni-lo com tanto rigor. Bastaria ele ir à Câmara, reconhecer que cometeu 'erros' e pedir desculpas à nação.

Estes argumentos parecem patéticos e ridículos? Pois é! Eu também acho! Eles não são meus e eu não penso assim. Estes são os argumentos usados pelos petistas em relação ao impeachment da Dilma.

Será que eles usarão o mesmo critério em relação a Eduardo Cunha?

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Ministro do Trabalho fala sobre a proposta de reforma trabalhista.



O ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira falou sobre a proposta de Reforma trabalhista, em relação à polêmica que surgiu, de que o governo pretendia aumentar a jornada de trabalho para 12 horas.

"Isso não quer dizer que vão ser 12 horas de trabalho todos os dias. É preciso que seja respeitado o limite que está em lei. Serão mantidas as 44 horas de trabalho por semana."

Em linhas gerais, o que a proposta vai trazer é que as convenções coletivas de trabalho determinem como as horas de trabalho serão distribuídas ao longo da semana.
O ministro disse, por exemplo, que alguma categoria pode concordar em trabalhar horas a mais de segunda a sexta, para não ter mais que trabalhar aos sábados. Ele também disse que o governo pretende apresentar dois novos modelos de contrato, além do atual, que é por jornada de trabalho e são contratos por produtividade e por hora trabalhada.
No caso do contrato por hora trabalhada, o FGTS, as férias e o décimo terceiro devem ser pagos de forma proporcional. O ministro falou ainda que é preciso valorizar as negociações entre patrões e empregados em cada área específica.

"Não haverá aumento da jornada semana de 44 horas assim como não haverá o aumento da jornada diária de oito horas. O que caberá à convenção coletiva é referendar o padrão 12 por 36 [horas] ou permitir que o trabalhador faça a jornada de 44 horas em cinco dias", disse o Ministro do Trabalho.

O senador Aloysio Nunes (PSDB/SP), líder do governo no Senado também falou sobre o assunto:

"Já existe em vários setores da economia esse tipo de acordo. Em alguns setores você tem a carga maior de trabalho em um determinado momento compensando com a carga menor em outro momento. No setor de comércio, por exemplo, isso acontece com muita frequência desde que não se exceda o limite fixado na CLT".

http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2016/09/ministro-do-trabalho-fala-sobre-proposta-de-reforma-trabalhista.html

Nota:
Claro que para aqueles que defendem o projeto criminoso de poder do PT, que surrupiaram bilhões de reais dos cofres públicos, deixaram um saldo de 12 milhões de desempregados, levando a nossa economia à bancarrota, o melhor é espalhar mentiras para confundir a população e tentar jogá-la contra o novo governo. Eles fazem isso, com a esperança de voltar ao poder em 2018 e continuar com o projeto criminoso.

domingo, 14 de agosto de 2016

FELIZ DIA DOS PAIS!

Pai...

Palavra pequena na extensão
Porém, de grande significado
Representa provisão, proteção
Heroísmo, autoridade e cuidado.

Quando nesta palavra medito
Ao meu pensamento me sobrevém
A lembrança de um amor infinito
De alguém que só me faz bem.

Papai para mim é uma referência
De homem de Deus e bom cidadão
Sempre agiu com muita decência
É uma pessoa de bom coração.

Sempre o admirei desde a infância
Pelo seu trabalho, fé e seriedade
Ele sempre deu muita importância
À sua família, Igreja e amizades.

A ele devo respeito e consideração
Não apenas por ordem divina
Faço-o por amor, prazer e gratidão
Pois lhe tenho em grande estima.

O segundo domingo de agosto
É o dia dos pais em todo o mundo
Porém, em mim tenho proposto
Honrar meu pai a todo segundo.


FELIZ DIA DOS PAIS!


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Princípios para um casamento bem sucedido.

Não é fácil ter um casamento bem sucedido e fazê-lo perdurar até à morte, como a Palavra de Deus. Isto porque, embora seja uma instituição divina, o casamento é formado por seres humanos, que têm suas falhas e imperfeições. Além disso, ao contrário do que dizem os filmes e as poesias românticas, não existem ‘almas gêmeas’, que nasceram um para o outro e que correspondam perfeitamente aos anseios do outro. O casamento não vem pronto, ele é construído pelos cônjuges, se quiserem, com a ajuda e direção de Deus. Como não existe uma fórmula mágica, ou um casamento pronto para a aquisição, como se fosse um produto industrializado, resta-nos buscar na Palavra de Deus, orientações para construirmos o nosso casamento no dia-a-dia e fazê-lo com que seja bem sucedido. Baseado em um esboço de uma mensagem que preguei a algum tempo em nossa Igreja, quero compartilhar com vocês, amados irmãos, alguns passos para um casamento bem sucedido:

1) Saiba escolher. Deus nos deu o livre-arbítrio. Podemos e devemos escolher o que fazer, como fazer, se queremos e com quem fazer. No caso do casamento, não é diferente.
Precisamos responder às seguintes perguntas para nós mesmos: Quero casar? Nem todos tem essa vocação. Quem não gosta de dar satisfações da sua vida ou gosta de dormir sozinho, ir pra onde quer, etc. não deve casar. Com quem? Não devemos nos prender a um jugo desigual.
Existem vários jugos que são desiguais.
a) O jugo da fé: Pessoas que tem crenças diferentes. Não pode dar certo, se um é cristão e o outro satanista. Mesmo no Cristianismo há jugos diferentes. Há discrepâncias entre algumas igrejas, que se dizem cristãs. Por exemplo: O marido é da Assembleia de Deus e a mulher da Congregação Cristã. Cada um vai para um lado. Não dá certo.
b) O jugo socioeconômico. Pode acontecer exceção e dar certo, mas a tendência é haver problemas, se um grande empresário, com MBA, poliglota, da alta sociedade, casar-se com uma moça caipira, que não concluiu o ensino fundamental. Como irão frequentar os mesmos lugares? Ele talvez não tenha muitos problemas em visitar a família dela. Mas ela, como acompanhará o marido?
c) O jugo da diferença de idade. Algumas pessoas dizem que o amor não tem idade. Será que não? Imaginem uma mulher de 50 anos, casando-se com um jovem de 18 anos. A princípio, estão apaixonados e tudo são flores. Passados 20 anos, ela terá 70 anos e ele 38. Irão perguntar se ela é a mãe ou a avó dele nas ruas. Estarão preparados para isso? E, outros problemas podem surgir disso.
d) O jugo geográfico. Eu sou Pernambucano e a minha esposa paulista. Não foi muito difícil a adaptação, pois, eu já morava em São Paulo há mais de 10 anos, quando casamos. Mas, para alguém que pretende voltar para a sua terra, precisa estar de acordo com o cônjuge, se ele voltaria. Muitas separações ou infelicidades acontecem por conta disso.

2) Cultive o amor no casamento. Nenhum casamento sobrevive se não houver amor. Mas, amor é diferente de paixão ou afeição. Amor está relacionado ao compromisso que temos com a pessoa amada. A paixão é passageira e normalmente está relacionada ao objeto apaixonante. Seja a beleza física, a voz, os cabelos ou a curiosidade pelo desconhecido. Quando o objeto apaixonante varia, a paixão vai embora e apaixonado diz: “Não amo mais”. Na verdade, ele não é mais apaixonado. O amor é uma escolha que fazemos de buscar identificar e satisfazer as necessidades (não as vontades) da pessoa amada, sem esperar nada em troca.

3) Ore pelo casamento. Ore antes de casar e durante o casamento. Apesar de termos o livre-arbítrio, não somos oniscientes. Precisamos orar, para não comprar gato por lebre. Durante o casamento, o inimigo atua ferozmente, para destruir o projeto de Deus. Se não orarmos ele lança tropeços e destrói o casamento.

4) Cumpra as suas responsabilidades no casamento: Homem: Ame a sua esposa como Cristo amou a Igreja e a Si mesmo se entregou por ela. Coabite com ela com entendimento. Não seja machista. A mulher não foi criada para ser escrava do homem ou ser humilhada por ele. Proveja o sustento do lar, na medida do possível. Não é tolerável, um homem casar e esperar que a mulher o sustente. Ela até pode ajudá-lo, mas essa responsabilidade é do homem. Mulher: Seja submissa ao seu marido no Senhor. Deus constituiu o seu marido como líder do lar. Esta submissão, no entanto, deve ser voluntária e por amor. Uma coisa que tem destruído muitos casamentos na atualidade é a falta de submissão das mulheres à autoridade do marido. Influenciadas pelo feminismo, muitas tem desrespeitado o marido e consequentemente, separam-se dele.

5) Tenham projetos em comum. Troque o “EU” pelo “NÓS” e o “MEU pelo “NOSSO”. Depois que casamos, os projetos passam a incluir os dois e não mais um. É inadmissível um marido ter posses separadas da esposa. Tudo deve ser dos dois. Pode ser administrado por ele, mas, pertence a ambos. No momento de decidir o que fazer, tem que haver concordância.

Tenho certeza que se aplicarmos estes princípios à nossa vida conjugal, o casamento será bem sucedido. Deus é sábio e o que Ele estabeleceu, fê-lo para dar certo. Se alguma coisa não vai bem em nossos casamentos, façamos uma análise minuciosa e haveremos de constatar que um dos cônjuges ou ambos estão negligenciando e descumprindo o que Deus ordenou.

Deus os abençoe,

Weliano Pires Neto & Márcia Ramalho Pires.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

LEITURA BÍBLICA DIÁRIA - Sexta - Feira


Deus revela de forma maravilhosa a concepção virginal do Messias.

Isaías 7.14:

" 14 Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel."


Neste texto bíblico, Deus anuncia através do Profeta Isaías, 700 anos antes, o nascimento virginal de Jesus Cristo, o Messias prometido. O Evangelista Mateus faz referência a esta profecia, na ocasião do nascimento de Jesus.

E assim, continuamos o estudo da nossa Lição desta semana "Deus, o primeiro evangelista".

Bom dia!
A Paz do Senhor Jesus!

terça-feira, 5 de julho de 2016

CPAD e CGADB convidam as igrejas para realizarem campanha de Evangelização


Neste trimestre, a Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) convida as igrejas a colocarem em prática tudo o que foi ensinado nas Lições Bíblicas sobre Evangelização. Para isso, foi elaborado um roteiro para que as igrejas se juntem nesta campanha para a salvação de almas.


O roteiro sugere atividades a serem desenvolvidas pelas igrejas no período de 90 dias (de 03 de julho a 01 de outubro), e poderá ser complementado com folhetos virtuais, onde os internautas poderão enviar para seus amigos direto do site,  criado pela CPAD, especialmente para a campanha: http://www.editoracpad.com.br/evangelizacao.


Marque em sua agenda e participe desta campanha junto com sua igreja.


Segue abaixo roteiro:


03-10/07 - Consagração e preparação

Nesta primeira semana do trimestre, vamos orar todos os dias e jejuar pelo menos um dia para nos consagrar para que, por meio deste trabalho, o Senhor Jesus Cristo salve muitas almas.


11-16/07 - Evangelismo pessoal

Vamos evangelizar entregando folhetos para todos as pessoas e convidá-las para irem à igreja no dia 17/07 para o culto evangelístico da noite.


18-23/07 - Evangelismo de vizinhos e parentes

A exemplo de Cornélio vamos esta semana falar de Jesus para cada parente e vizinho. Conquiste os seus parentes e amigos para o senhor Jesus.


25-30/07 - Evangelizando seu colega de trabalho

Mesmo que já tenha feito antes, convide seu colega de trabalho para ir no dia 31/07 a culto em uma igreja próxima de sua casa.


01-06/08 - Evangelismo alternativo


07/08 culto à noite


08-13/08 - Evangelismo nos hospitais, delegacias e presídios

Com a orientação do pastor da igreja, levemos palavras de consolo, cura e salvação aos que se encontram doentes ou presos.


14-20/08 - Evangelismo estudantil

Evangelização de estudantes de todos os níveis, tanto ensino médio como universitário. Entregue a eles um folheto especial que você pode baixar no site da CPAD.


22-27/08 - Evangelismo social

Vamos distribuir porções de alimentos às famílias necessitadas próximas a igreja e aos vizinhos necessitados dos membros da igreja.


28-03/09 - Evangelismo infantil

Convidem os amiguinhos e amiguinhas de nossos filhos para virem para a escola dominical evangelistica no dia 04/09.


04-09/09 - Evangelização dos afastados

É grande o número de pessoas que estão afastadas da igreja. Vamos buscar estas almas que se encontram longe do Pai celestial.


12-17/09 - Evangelismo de pessoas especiais

Visitemos os cegos, surdos, mudos, aleijados em suas casas e vamos convidá-los para irem à igreja, devidamente preparada para recebê-los.


19-24/09 - Evangelização pela web

Utilize as ferramentas da internet para postar folhetos evangelisticos e também convidar os internautas para irem à igreja.


26-01/10 - Semana do amor

Para encerrar esta campanha incentivamos a todos que estejam bem de saúde para que procurem o banco de sangue de sua cidade e façam doação de sangue.



01/10 – Grande Culto de Agradecimento.


Fonte: Blog do Pastor José Wellington


Lição 2: Deus, o primeiro evangelista

No próximo domingo, dia 10 de Julho de 2016, estudaremos em nossa Escola Bíblica Dominical, na Classe dos Adultos, a Lição 2, que tem como título:
"Deus, o primeiro evangelista".


TEXTO ÁUREO:

“Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti” (Gl 3.8).

VERDADE PRÁTICA:

"Deus, que deu início ao trabalho de evangelização, exige de cada um de nós uma atitude evangelística responsável e amorosa."


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Gênesis 12. 1-8.

Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.

2 E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.

3 E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.

4 Assim partiu Abrão como o SENHOR lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã.

5 E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e chegaram à terra de Canaã.

6 E passou Abrão por aquela terra até ao lugar de Siquém, até ao carvalho de Moré; e estavam então os cananeus na terra.

7 E apareceu-o SENHOR-a Abrão, e disse: Å tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao SENHOR, que lhe aparecera.

8 E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao SENHOR, e invocou o nome do SENHOR.

9 Depois caminhou Abrão dali, seguindo ainda para o lado do sul.

10 E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra.

11 E aconteceu que, chegando ele para entrar no Egito, disse a Sarai, sua mulher: Ora, bem sei que és mulher formosa à vista;

12 E será que, quando os egípcios te virem, dirão: Esta é sua mulher. E matar-me-ão a mim, e a ti te guardarão em vida.


Nesta lição veremos, a partir da chamada de Abraão, que a Bíblia é um livro evangélico, com uma missão claramente evangélica.
De Gênesis a Apocalipse, Deus proclama, pessoalmente, ou através de seus profetas e apóstolos, a Salvação a todos os povos da Terra.
E nós, da mesma forma que o Senhor, também devemos proclamar, com zelo, o Evangelho de Jesus Cristo a toda criatura.

Boa Semana e bons estudos a todos!

Deus abençoe,
Weliano Pires

quinta-feira, 30 de junho de 2016

O QUE É EVANGELIZAÇÃO

RESUMO DA LIÇÃO 01

O QUE É EVANGELIZAÇÃO


INTRODUÇÃO
A evangelização é a missão suprema da Igreja. Essa missão não é somente da liderança, mas todo crente tem a responsabilidade de anunciar as Boas-Novas.
Vale lembrar, que a evangelização não se resume apenas, a anunciar o Evangelho àqueles que ainda não o conhecem. A evangelização envolve também o discipulado, o batismo em águas e a integração do novo convertido.

Não podemos mais adiar esta urgente missão, nem deixá-la em segundo plano.


I. Diferença entre evangelização e evangelismo;
a) Evangelização. É a prática de comunicar o Evangelho aos perdidos.

b) Evangelismo. É a doutrina de evangelizar, com os seus métodos, fundamentação bíblica e organização.

É correto usar os termos 'evangelização' e 'evangelismo', pois a evangelização depende do evangelismo. Uma é a teoria e a outra, a prática.

II. Como evangelizar
Jesus, o nosso mestre por excelência, foi o maior exemplo de evangelização. Seguindo o seu método temos quatro formas distintas de evangelização:

a) Evangelização pessoal. Jesus evangelizou a mulher samaritana e Nicodemos, em diálogos com eles.

b) Evangelização coletiva. Jesus fez vários sermões para as multidões, pregando o Evangelho.

c) Evangelização nacional. Sendo judeu e vivendo como tal, Jesus falava no idioma da sua nação, conhecendo bem o povo judeu e a sua cultura.

d) Evangelização transcultural. Mesmo tendo sido enviado às ovelhas perdidas da casa de Israel, Jesus socorreu também estrangeiros como o servo do centurião romano, a mulher Siro-Fenícia e muitos samaritanos.

III. Por que evangelizar?
Há pelo menos quatro razões que nos levarão a falar de Cristo a tempo e fora de tempo:

a) A evangelização é um mandamento de Jesus; (Mt 28.19; Mc 16.15; At 1.8)
b) A evangelização é a maior expressão de amor;
c) O mundo jaz no maligno e caminha a passos largos para a perdição eterna;
d) Em breve Jesus voltará e não sabemos quanto tempo nos resta.

Conclusão
As lições deste trimestre são um convite para a Igreja retomar, urgente, a sua missão de transmitir o Evangelho de Cristo aos perdidos. Precisamos nos envolver diretamente nesta missão e nos preparar para executá-la. É muito importante que a Igreja ao pregar, pregue as boas novas de salvação e não se ocupe com fábulas e filosofias humanistas.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

A euforia dos petralhas por causa das delações de Sérgio Machado

Alguns petistas andam meio eufóricos na internet, por causa das delações de Sérgio Machado, que citou até Michel Temer. Vi em um destes sites adestrados pelo PT, que 'CAIU A MÁSCARA DOS QUE APOIARAM O IMPEACHMENT'.
Ora, contenham-se petistas! Alto lá! Não há máscara alguma. Há uma diferença abissal entre os dois casos, que vou tentar explicar em poucas palavras:
1) Dilma cometeu crimes durante o governo. Estes crimes já foram comprovados e a lei prevê como punição neste caso, o impeachment.
2) As pessoas que apoiaram o impeachment não escolheram Michel Temer como Presidente da República. Quem o escolheu foram os eleitores do PT e aliados que votaram na chapa Dilma - Temer. E, uma vez Dilma sendo impedida teria que ser ele o substituto legal. Portanto, não se pode querer culpar quem apóia o impeachment, por eventuais erros ou crimes do Temer.
3) Temer foi citado em caso de corrupção antes do governo, em 2012. O caso ainda será investigado e não tem nada comprovado. A lei diz que o Presidente da República não pode ser punido no exercício do mandato por crimes que tenham sido cometidos fora do mandato. Se ele de fato, tiver cometido crime, será punido após o mandato. Por enquanto, ele tem a dificílima tarefa de corrigir os estragos que o PT causou ao Brasil.

quinta-feira, 16 de junho de 2016

João Batista, segundo os hereges da atualidade

Evangelho segundo São Herege Capítulo 3.1-13:

1 E, naqueles dias, apareceu João, o Batista, pregando na Catedral da Judéia,
2 E dizendo: Vocês são cabeça, não cauda. Onde vocês pisarem o pé, será de vocês. Tudo o que voces declararem, Deus assinará embaixo, pois, as palavras de vocês tem poder!
3 Não aceitem nenhuma espécie de derrotas, pobreza ou enfermidade, pois, vocês são filhos do Rei e Jesus era milionário. Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: "Jesus já levou embora todas as nossas enfermidades." Portanto, toda doença é um mal, que vem do diabo e só atinge àqueles que não tem fé ou estão em pecado.
4 E este João, vestia ternos de grife, feitos sob medida; usava sapatos de cromo alemão e tinha um par de sapatos, para cada cor de terno; só usava perfumes franceses; andava em carros importados, com seguranças armados e motorista particular. O seu preferido era um camaro amarelo; tinha também um jato particular que comprara por 12 milhões de dólares, para viagens mais longas; hospedava-se sempre em hotéis cinco estrelas e costumava comer caviar e tomar vinhos importados.
5 Então ia ter com ele o imperador César, Herodes, Pilatos, Festo, Anás, Caifás, grandes empresários, a imprensa internacional e toda a cúpula política e religiosa da época.
6 Estes traziam as suas crianças e os respectivos padrinhos. João não os batizava ( grego baptisma, que significa mergulho), mas, derramava um pouco de água em suas cabeças (aspersão). Segundo ele, aquele ato os tornaria cristãos.
7 E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Queridos, eu não posso julgá-los, pois, só Deus tem esse poder. Vamos fazer uma campanha de libertação, vocês fazem um voto, semeando uma oferta e eu libero uma palavra profética, declarando que vocês são do Senhor Jesus.
8 Não precisa se preocupar com esse negócio de arrependimento. Isso é coisa de fundamentalistas, que não tem amor. Deus só quer o coração de vocês.
9 Vocês estão debaixo da minha cobertura espiritual; A partir de hoje vou fazer um trabalho de quebra de maldição e ungir tudo o que vocês têm.
10 Ah, esse discurso radical de inferno, lago de fogo, etc. não combina com um Deus amoroso e bom. Isso é coisa de crentes fanáticos. Aqui eu não prego isso, para não afastar o povo. Aqui é só vitória.
11 Eu, em verdade, os unjo com óleo que veio do Monte das Oliveira; vendo toalhinhas com a inscrição 'nas mãos de Deus', molhada com o meu suor 'ungido'; distribuo pedras que vieram do Rio Jordão e pastas de figo que vieram de Israel, que curam qualquer tipo de doença. Basta ter fé. Tudo isso, a um valor simbólico de R$ 900,00, a unidade.
12 Mas, aquele que vem após mim, apesar de ser mais poderoso do que eu, ele me honra e só vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo, se eu impuser as minhas mãos e determinar que a unção que está em mim seja transferida.
13 João, o Batista, recebeu uma revelação, onde contemplou visivelmente a face de Deus e ouviu, como se ouve qualquer pessoa, uma voz do céu, que lhe ordenava que ele mudasse o seu nome e o título, para 'Jacó, o arcanjo'. Isso porque Jacó era um nome hebraico e Batista era muito pouco para a grandeza do seu Ministério.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

As 12 vezes em que o tiro da esquerda saiu pela culatra.

Por Camilo Caetano*

Ultimamente ser de esquerda não tem sido nada fácil. O surgimento de movimentos liberais e conservadores com embasamento teórico enfraqueceram o argumento esquerdista e, sendo assim, a esquerda não teve outra opção, a não ser apelar para discursos vitimistas e de ódio.
Porém, nem sempre a estratégia de vitimizar ou de incriminar o inimigo político deu certo. Veja só as 12 vezes em que o tiro da esquerda saiu pela culatra:

1. A IstoÉ inventou sobre a delação de Delcídio
No dia que a IstoÉ lançou uma mega reportagem sobre a delação bombástica de Delcídio, Tico Santa Cruz não gostou muito do chefão Lula estar envolvido no esquema. E fez várias postagem dizendo que a revista estaria “mentindo” para ganhar audiência e contribuir com a prisão de Lula.
Uma semana depois, a delação foi homologada pelo STF e confirmou todos os fatos exibidos pela revista.

2. Jean Wyllys: queda de avião era ataque homofóbico
Após avião ter sido abatido na fronteira da Ucrância, ao descobrir que haviam pesquisadores da AIDS a bordo, Jean Wyllys disse que poderia ter sido um ataque homofóbico.
Um tempo depois, os EUA confirmaram que eram rebeldes treinados pela Rússia que abateram o avião por ter cruzado a fronteira.

3. Jean Wyllys: menino gay morto seria vítima de homofobia
Jean Wyllys havia acusado os evangélicos e a sociedade machista pela morte de um garoto homossexual em Goiás. E logo depois, encontraram o assassino e descobriram que ambos tinham relações sexuais.

4. Jandira mostra que Lula está tranquilo em relação a lava-jato
Jandira foi tentar mostrar a tranquilidade de Lula após a ter sido chamado para depor. E sem querer acabou mostrando um pedaço da conversa dele com a presidente Dilma. Lula aparentava nada tranquilo e ainda mandou a justiça “enfiar os processos no c*”

5. O movimento racista que apoia Bolsonaro em Niterói
Uma imagem com cartazes racistas se espalhou nas redes sociais e em blogs esquerdistas, a esquerda, então, aproveitou para acusar a direita e os seguidores de Bolsonaro de “neonazistas”. Porém, o autor vacilou. Na imagem mostrava que a cola do cartaz estava ainda fresca, o que deixou suspeitas de que a própria pessoa que tirou a foto provavelmente colou os cartazes numa tentativa de orquestrar um ataque “false flag” contra direita.

6. O ataque racista à Maju
O ataque racista contra a Maju nas redes sociais teve repercussão nacional, chegou até na TV. E vários blogs de esquerda aproveitaram a situação para levantar a importância da esquerda no combate aos movimentos racistas organizados que supostamente cresciam no país. Alguns dias depois, a polícia federal investigou e descobriu que era mais um ataque “false flag” da esquerda. O jovem que orquestrou o ataque era negro e ainda teria votado no PT.

7. Imagem da babá que estava sendo oprimida em manifestação
A esquerda divulgou pelas redes sociais a imagem de uma babá que supostamente estava sendo oprimida por trabalhar aos finais de semana. A repercussão foi tão grande que chegou até em mídia internacional. Alguns dias depois, a babá apareceu na mídia e explicou que trabalhava apenas dois dias na semana, e também contratava uma babá para ficar com o filho no final de semana. E toda aquela história de opressão caiu por terra.

8. A Transexual vítima de Transfobia
A revista fórum, blog esquerdista adorado pelos “isentões”, repercutiu uma notícia de uma jovem transexual que sofreu agressão por um grupo de pessoas na Rua Augusta, e ainda mencionou que poderia ser mais uma vítima de “transfobia”. Porém, o blog “esqueceu” de mencionar o depoimento da vítima em que dizia que foi agredida por 20 homossexuais e salva por um homem hetero.

9. A Veja Mentiu sobre o Romário
A revista Veja divulgou uma matéria sobre uma suposta conta do deputado Romário na Suíça, e alguns dias depois o banco e o ex-jogador desmentiram a revista. A esquerda aproveitou a situação para dizer que a revista sempre mentia, na tentativa inocentar o ex-presidente Lula, que já foi várias vezes capa da Revista.
Porém, em um áudio vazado do senador Delcídio, Romário saiu na conversa em que o senador dizia que a história da conta na Suíça era verdade. Depois disso, até a Socialista Morena se sentiu obrigada a dar razão a Revista Veja.

10. Remédio caro é culpa do livre mercado!
A notícia de um jovem empresário que subiu o preço de um remédio para tratamento de câncer em 5.000%, de U$ 13,50 para U$ 750,0 causou indignação no mundo todo. E a esquerda aproveitou o momento para criticar a busca pelo lucro de empresários e dizer que o “livre mercado” não funciona.
No entanto, algumas semanas depois a esquerda foi surpreendida ao receber a notícia de que uma outra empresa também estaria produzindo uma variante do remédio por U$ 1, ou seja, muito mais barato do que o preço inicial do remédio, que era de U$ 13,50.

11. A pobre negra da USP
A jovem do movimento negro ficou conhecida nas redes sociais após um vídeo viral em que a moça criticava a “elite branca” da USP e dizia que “a mãe preta dela limpava o chão”.
No entanto, após uma pesquisa no Facebook da “pobre” negra, foi revelado que a jovem moça era da burguesia, estudou em um dos colégios mais caros de São Paulo e ainda adorava viajar para fora do país.

12. A jovem burguesa que ostentava o celular na praia
Após uma onda de arrastões no Rio de Janeiro, a esquerda aproveitou a situaçào para criticar os burgueses que ostentavam seus celulares na praia.
O que a esquerda não esperava era uma jovem, que teve sua foto viralizada nas redes sociais, aparecer e explicar que não era nada de uma “burguesa”, como falavam por aí. E ainda acrescentou que ganhava pouco e teria trabalhado muito para conseguir comprar o celular roubado pelos “bandidos inocentes”.

*Camilo Caetano
Cursou Ciência da Computação pela Unesp. Trabalha com desenvolvimento de serviços de tecnologia da informação para o jornal Valor Econômico.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Feliz aniversário Papai!

Hoje é dia dezenove de abril
Dia de, aos povos indígenas, homenagear
Porém, para mim existem razões mil
Para duas pessoas especiais, parabenizar.
A primeira delas, há 18 anos Deus levou
Era Dona Iaiá, minha avó paterna
Durante a sua vida, ela muito me amou
Partiu aos 80 anos, para a morada eterna

Pelos seus netos, era chamada de Vozinha
Lamentava muito, por não ter o que nos dar
Na minha infância, era nossa vizinha
E sempre ia à nossa casa para conversar

A segunda pessoa, é meu referencial
Como cristão, homem, pai, amigo e cidadão.
Meu pai sempre foi alguém muito especial
Com ele aprendi, desde cedo, a ser Cristão

Com meu pai aprendi a honestidade,
O respeito, o trabalho, a dedicação familiar
O amor à Bíblia, a gratidão, a fidelidade
E que somente a Deus devemos adorar.

Meu pai não tem nenhuma inimizade
Sempre procurou, a todos fazer o bem
Aposentou-se há onze anos, por idade
Mas, trabalha para não depender de ninguém.

Hoje, papai completa setenta e um anos
Enfrentou lutas e muitas dificuldades
A minha família e eu lhe desejamos
Paz, saúde, amor e muitas felicidades.

Deus te abençoe, papai! Que o tempo de vida, que lhe resta nesta terra, seja de muita alegria e muito melhor que tudo o que senhor já viveu.
Do teu filho Weliano & família.

sexta-feira, 4 de março de 2016

Polícia Federal faz operação na casa do ex-presidente Lula, na Grande SP



A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira, a 24ª fase da Operação Lava-Jato no prédio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu filho Fábio Luíz da Silva, o Lulinha. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Na casa de Lula, em São Bernardo, quatro carros chegaram às 6h e ainda estão no local. No local onde Lulinha mora, em Moema, dois carros da PF e um da Receita Federal estão no local também desde às 6h.

A operação foi deflagrada com base em investigações sobre a compra e reforma de um sítio em Atibaia frequentado pelo petista, o fato de sua mudança ter sido transportada para o local e a relação desses episódios com empreiteiras investigadas na Lava-Jato.

Há também agentes da PF no Instituto Lula, no bairro Ipiranga, e na Odebrecht, na Marginal Pinheiros.

Fonte: Zero Hora

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Parabéns, mamãe!

Hoje é um dia especial e de felicidade
É o aniversário da minha mãezinha
Ela faz setenta e um anos de idade
Mãe, és um tesouro! minha maior heroína.

Lembro com saudade, do tempo corrido
Da época, em que eu era pequenininho
Quando em teus braços eu era protegido
Sendo tratado, com muito amor e carinho.

Muitos anos se passaram e eu cresci
As dificuldades nos afastaram.
Mas, mesmo distante, nunca te esqueci.

Hoje, já não és como foste na mocidade
Os efeitos dos anos minaram a tua força
Deus te conceda saúde e longevidade.


Felicidades, minha querida mãezinha! Deus te abençoe hoje e eternamente!

É o que deseja o teu filho Weliano & Família.


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

SETE PASSOS PARA UM CASAMENTO FELIZ.



Eu vou completar em abril, 13 anos de casado e graças a Deus sou muito feliz, vivendo muito bem. Claro que a vida de casado não é feita só de rosas. Há espinhos e dificuldades também.
O primeiro passo para uma vida a dois feliz é casar na direção de Deus, com alguém que teme ao Senhor. Dificilmente, um casamento com alguém que não segue a mesma fé que nós, dará certo. A Bíblia diz que não devemos nos prender a jugo desigual com os infiéis, pois, não há comunhão entre a luz e as trevas.
O segundo passo para um casamento feliz é lermos menos romances e mais a Bíblia. Apesar de encantador e bonito, o modelo de relacionamento do romantismo é irreal. A Bíblia, no entanto, fornece a orientação de Deus para o casamento. Se os dois cumprirem as suas responsabilidades como descrito na Bíblia, não há como não dar certo.
O terceiro passo é nos conscientizarmos de que o casamento não pode acabar, exceto com a morte. Quando sabemos que o casamento não pode acabar, lutamos com todas as nossas forças para torná-lo agradável. A principal razão dos casamentos não durarem, é porque as pessoas já casam pensando em separar. Dizem que vão casar, mas, se não der certo, cada um vai para o seu lado. Um casamento assim já nasce, sem confian e está fadado ao fracasso.
O quarto passo é afastar do casamento quaisquer resquícios de machismo e feminismo. Estas duas filosofias são diabólicas e destroem qualquer casamento, ou no mínimo, deixam uma das partes infeliz. Marido e mulher não são competidores, são parceiros; são 'uma só carne'. Portanto, agredir de qualquer maneira ao cônjuge é agredir a si mesmo.
Em quinto lugar, deve haver constante diálogo respeitoso entre o casal. Diálogo é uma via de mão dupla. É diferente do monólogo, onde apenas um fala. É muito importante que haja perdão quando um ferir ao outro. Nunca se deve guardar rancor, pois, isso destrói o casamento e a saúde de quem o guarda.
Em sexto lugar, devemos orar pelo nosso casamento, pois, o diabo luta para destruir as famílias. Há coisas que acontecem que são setas malignas, que somente com oração, podem ser vencidas.
Em sétimo e último lugar é preciso vigiar. Há muitas coisas que destroem o casamento, que podem ser evitadas com um pouco de vigilância. O ciúme, as palavras duras, discussões por bobagens, desperdícios, saídas sem avisar, chegadas tarde sem necessidade e sem aviso prévio, etc. são coisas que prejudicam o relacionamento. Devemos evitar ao máximo, fazer aquilo que o nosso cônjuge não gosta e procurar, na medida do possível, fazer o que lhe agrada.

Pb Weliano Pires

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Reunião da Família em Parnamirim

Reunião da família em Parnamirim
Na casa de Urbano, meu irmão,
Que os irmãos o chamam de Banin.
É sempre muito bom, ver esta união.

Fizeram o tradicional churrasco de bode
É uma delícia esta iguaria
Cada um se vira como pode
Para não comer em demasia

Estava o patriarca, Zé de Aiá
Sua amada esposa, Nicinha.
O motorista foi Paulo, que lá foi passear.
Levou as duas filhas, minhas sobrinhas.

Na foto, a grande família reunida
Papai, mamãe, Paulo, Paola e Bel
Foi preciso dar uma espremida
Para caber Ubano, Nayane, Sara e Ismael.

Na foto faltou Neide, a anfitriã,
Que sempre foge nessa hora.
É minha cunhada e é como fosse irmã
E dos meus pais, é a primeira nora.

Para que a alegria fosse completa
Ainda faltava eu e Welliton, meu irmão
Faltou também Kilane, a primeira neta,
Igor e Fernanda, meus filhos do coração.

Ainda assim para eu feliz estar
Precisaria estar acompanhado
De alguém que não poderia faltar
A esposa que amo e por ela sou amado





quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Sou de Terra Nova - PE

Sou de Terra Nova, no Sertão de Pernambuco;
Até aos dezenove anos, vivi por lá.
Não deixarei, nem quando estiver caduco,
As características do meu lugar.

Saí de lá, em mil novecentos e noventa e dois;
Vim para São Paulo, para trabalhar.
Pretendia voltar, pouco tempo depois;
Mas, em junho, vinte e quatro anos vai completar.

Aqui achei de tudo e muita gente do Norte;
Cidade grande e muita correria.
Fiz muitas amizades, casei e tive sorte,
Tive acesso a muitas coisas, que antes não conhecia.

A cada dois anos procuro, a minha terra visitar.
Para rever meus pais, parentes e amigos.
E as saudades amenizar.
Hoje, com muita fé eu digo,
Pretendo ir embora, quando me aposentar.


O que é o pecado de rebelião?


A rebelião é uma oposição direta a Deus e à sua Palavra, ou a alguém que ele escolheu para liderar o seu povo.

A primeira rebelião aconteceu no céu, quando um querubim quis ser igual a Deus e juntou uma terça parte dos anjos numa atitude de insubordinação a Deus.

Depois, vieram outras rebeliões como a de Cam, contra o seu pai; de Mirian e Arão contra Moisés; de Coré, Datã e Abirão contra Moisés; de Saul contra Deus; de Absalão contra Davi, etc.

Rebelião é um pecado grave, comparado à feitiçaria. No Antigo Testamento, os que se rebelaram foram amaldiçoados ou morreram.

O problema é que na atualidade, muitos confundem defesa da fé, pregar contra o pecado, ou contestar abuso de autoridade, com rebelião. São coisas totalmente distintas. Nenhuma autoridade secular ou espiritual é infalível ou inquestionável. A rebelião é eu contestar a existência da liderança. Contestar os seus erros e abusos não é rebelião.

Jesus, por exemplo dedicou o capítulo 23 de Mateus para condenar a liderança espiritual dos Escribas e Fariseus, com duras palavras.

João Batista chamou os Escribas e Fariseus de 'raça de viboras' e repreendeu o Rei Herodes por causa do adultério.

Pedro disse aos Principais Sacerdotes e Anciãos do povo que era mais importante obedecer a Deus do que a eles.

Os crentes de Beréia ouviram o apóstolo Paulo pregar foram conferir nas Escrituras, se o que ele estava pregando estava correto. Por isso foram chamados de nobres.

Paulo repreendeu a Pedro, quando em Antioquia, Pedro se afastou dia gentios para não ficar mal com os Judeus. Paulo falou que ele se tornara repreensível.

Em outros textos, tanto Paulo, como Pedro e João falaram para combater os falsos ensinos.

O apóstolo Judas falou para batalhamos pela fé que uma vez foi dada aos santos. Ou seja, devemos defender a verdade bíblica, que isso não é rebelião.

Portanto, se alguém está liderando a Igreja conforme manda a Bíblia e nós ficarmos contra a sua liderança ou quisermos tomar o lugar dele, estamos em pecado de rebelião.
Porém, se a pessoa é líder da Igreja e prega heresias ou contraria a Verdade bíblica, quem está sendo rebelde é ele.