terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

General Heleno fala sobre a intervenção na Segurança pública do Rio de Janeiro




O General Heleno está certíssimo. Não adianta intervenção das Forças Armadas na Segurança Pública, se eles não tiverem poder para atuar e continuarem subordinados às leis absurdas que protegem a bandidagem. Para mudar o Brasil de verdade, precisaríamos ter pelo menos uns 51 senadores como este General, 342 deputados como Bolsonaro e 7 Ministros no STF como Sérgio Moro.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Doze dicas para refletir ao visitar um enfermo


Publicado pelo Pr. Daladier Lima

Com a proliferação das redes sociais e outros problemas, faz-se necessário atentar a algumas dicas ao visitar um doente. Gary Collins, em seu best seller Aconselhamento Cristão, nos dá dicas preciosas de aconselhamento e visitação a pessoas em situações vulneráveis. Não desejo repetir o livro, mas gostaria de resumir algumas dicas para aqueles que as quiserem colocar em prática, tanto da obra quanto da experiência prática:

1.    Esteja sempre acompanhado. De preferência por mais de uma pessoa. Visitar uma senhora, cujo marido não é evangélico, por exemplo, dois ou três homens, pode trazer sérias consequências. Muitas vezes nada acontece ali, mas ao saírem os questionamentos poderão ser feitos por um marido ciumento. Então, se vai visitar uma mulher, solteira ou casada, se faça acompanhar da sua própria esposa e, se puder, convide outro casal. Só não esteja acompanhado de uma grande multidão. Geralmente, um doente quer paz e calma e um grupo grande tende a causar barulho;
2.    Esteja sempre acompanhado de pessoas equilibradas. Isso evita grandes problemas. Instrua a que evitem perguntas sensíveis e julgamentos precipitados. Ainda temos aquele mesmo senso dos discípulos de Jesus: “Quem pecou? Ele ou seus pais?”. Ora, Joel Carlson, grande desbravador assembleiano brasileiro, foi infectado pelo tifo ao batizar um novo membro, vindo a falecer dias depois. Paulo, provavelmente, tinha miopia, num tempo sem óculos era fatal para quem viajava e escrevia tanto quanto ele! Então, grandes provas em termos de enfermidades podem vir a qualquer pessoa, não necessariamente por pecado;
3.    Se faça acompanhar de pessoas preparadas espiritualmente. Não sabemos o que vamos encontrar numa visita. Ao mesmo tempo que uma doença não necessariamente é pecado, pode, por outro lado, ser possessão demoníaca. Já ouvi relatos de pessoas que foram libertas pelo poder da oração, mas, infelizmente, alguém da comitiva que visitava se tornou possesso em seguida. Outros meninos espirituais acham que tudo é possessão, que todos devem ser curados, não percebem a necessidade de silêncio e calma e tudo desanda. Dias atrás me chegou a informação que em determinado hospital público as visitas feitas por evangélicos estão suspensas. O motivo: Os irmãos faziam muito barulho, incomodando os pacientes ao redor;
4.    Evite a tentação de pensar que Deus vai curar todas as pessoas por quem você orar. Eu já orei por diversas pessoas e elas foram curadas, outras não. Faleceram após diversas visitas. Não adianta querermos estar no lugar de Deus. Nosso trabalho é orar e oferecer um ombro amigo, o que passar disso é com o Criador. Nos contentemos com nossa impotência diante dos males do mundo! Jesus disse certa vez a seus discípulos: “Em verdade vos digo que muitas viúvas existiam em Israel nos dias de Elias, quando o céu se cerrou por três anos e seis meses, de sorte que em toda a terra houve grande fome; e a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a Sarepta de Sidom, a uma mulher viúva”. (Lucas 4:25,26);
5.    Alerte ao grupo para que se mantenha focado. É preciso atenção ao doente e à sua condição. Divagar sobre assuntos que não tem nada a ver e até podem ser abordados em outra hora é desnecessário. Alerte também para que o grupo evite beber água ou comer na casa de um enfermo, a menos que isso seja extremamente necessário ou seja oferecido pelos familiares. Evite as conversas paralelas e cantar alto ou de maneira que incomode pessoas não evangélicas que estejam no mesmo ambiente. Oriente a todos para que escolham seus versículos, de forma adequada à visitação e sejam concisos no que vão falar;
6.    Respeite as regras do hospital. Se a visita for a um hospital, respeite os horários. Ainda que um ministro do evangélico seja, por Lei, autorizado a entrar a qualquer momento num hospital para prestar assistência espiritual a um doente, há horários para ministração de remédios e outros fármacos, nos quais somente as pessoas habilitadas tecnicamente para isso devem estar na sala. Por falar em sala de hospital, há quadros clínicos complexos, nos quais o doente está na UTI e outros lugares mais restritos, nos quais somente uma pessoa pode entrar de cada vez. Não é maldade do corpo médico, é precaução. Então, respeite os profissionais de saúde e as regras do próprio hospital ou clínica;
7.    Nunca balance um doente ou o faça sentar ou levantar sem permissão médica. Temos um costume mais efusivo ao encontrar alguém querido. Apertamos fortemente suas mãos, o abraçamos, etc. Porém, há casos em que o doente sente dores pelo corpo e esse balanço é extremamente desconfortável. Às vezes, o problema é uma cirurgia numa costela quebrada, uma prótese num dedo da mão, num ombro, e por aí vai. Na dúvida não chacoalhe a pessoa que está sendo visitada, especialmente se ela estiver deitada ou com alguma parte do corpo imóvel;
8.    Evite perguntas sobre que tipo de doença assola a pessoa visitada. Às vezes a doença é numa região íntima do corpo e a pessoa sente vergonha de falar. Noutros casos são doenças graves e as pessoas estão vivendo o terror de se adequar à nova rotina. É bem simples: Se não ficar claro de início, evite o constrangimento a si mesmo e ao enfermo! Há pessoas inconvenientes que pedem para ver cicatrizes, próteses, feridas, etc. Precisamos entender que muitos preferem não expor tais partes do corpo. Só isso. Sua oração não terá mais ou menos eficácia se você não souber qual a enfermidade que debilita o irmão, então…
9.    Evite expor a intimidade do lar das pessoas visitadas. Às vezes é aquela foto sem compromisso, mas ao ser publicada foi junto a TV, o computador, os móveis de uma sala ou quarto, criando sério risco de assaltos, etc. Todos os especialistas em segurança recomendam discrição ao expor o interior de uma casa e já há inúmeros casos de ladrões se aproveitando de fotos para arrombar ou furtar residências. Não devemos contribuir para isso! Se for extremamente necessária uma foto procure um ângulo que não exponha objetos de valor. Outro problema é a exposição de uma mobília de menor valor, com poucos e velhos móveis e eletrodomésticos, constrangendo igualmente o doente;
10. Foto só com autorização expressa do doente ou da família! É uma regra de ouro. Você vai visitar com tanta boa vontade, leva a juventude, leva alguns amigos, etc. O visitado está debilitado por febres, um diabetes, AIDS ou câncer. Por estar em casa, sem esperar uma visita, às vezes, mal vestido, cabelo por pentear, boca por escovar, sem dentadura, etc. Mas você quer mostrar produção, aí faz aquele selfie (tem gente que já anda com o extensor!) e publica em suas redes sociais*. Não se espante se esta atitude trouxer graves problemas com a família. Então, se não for autorizado, sem forçar a barra, não faça a foto e verifique se pode postar em suas redes sociais. Do contrário, evite! Mesmo que sua intenção seja das melhores possíveis. E não se preocupe que seu pastor ou dirigente não veja, Deus está vendo e dará sua retribuição. Ainda que o doente diga que ninguém o visitou, sua consciência estará tranquila. Por capricho pessoal evito colocar fotos de pessoas visitadas em meu perfil, quaisquer que sejam, nem celular levo para não me sentir tentado. Isso não me diminui diante de Deus ou dos demais;
11. Evite sorrir e fazer gracejos. Infelizmente, pessoas vão visitar um doente e se põem a sorrir, tagarelar e contar piadas. Outros ainda transpõem essa reação para as fotografias. É terrível. Pura falta de educação e senso de ridículo. Um quarto de enfermaria ou de uma casa pede sobriedade. Claro que ninguém precisa dar uma de carpideira, mas que algumas fotos transparecem felicidade com a desgraça alheia não tenha dúvidas;
12. Se possível leve dinheiro. Lembre-se da recomendação de Tiago: Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? (Tiago 2:14-16). É de muito mau gosto visitar alguém doente e reconhecidamente necessitado e não ajudar em nada. Mas atenção: se você apenas suspeita que o irmão está necessitado, pergunte a alguém da família. Evite constranger o irmão ao perguntar diante de todos se ele precisa de alguma coisa.

Se a visita se refere a presídios e lugares semelhantes evite entrar nas celas, contato visual (encarar) ou tocar nas pessoas visitadas. Evite também ser portador de cartas** e recados. Bom senso nunca é demais!

* Recebi uma reclamação de uma pessoa de determinada família em que os visitantes fizeram a foto com a senhora que estava sendo visitada de camisola
** Dias desses houve o caso de uma irmã que estava servindo de pombo correio entre um traficante e seus comparsas do lado de fora de determinado presídio. E sem saber. Toda vez que ia visitar trazia uma carta e entregava a alguém, eram instruções de crimes!




segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Família, lugar de cura e restauração



“Suportai-vos uns aos outros, perdoa-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem…” (Cl 3.13).

A família é o melhor refúgio que possuímos neste mundo. Ali somos amados não apenas por causa das nossas virtudes, mas apesar dos nossos defeitos. Ali somos aceitos não porque somos perfeitos, mas apesar das nossas fraquezas. É bem verdade, que a família tem sido, também, palco de agressão e violência. Hoje, o lar é o quinto lugar mais perigoso para se viver no mundo. Maridos agridem a esposa, esposas ferem o marido, pais agridem os filhos e filhos atacam os pais. Não é esse, entretanto, o projeto de Deus. A família deve ser lugar de cura e aceitação. O lar deve ser o território do perdão e da restauração. Mesmo quando há deslizes e quedas, a família deve ser o lugar do recomeço para aquele que caiu. A parábola do filho pródigo destaca a postura do pai que, ao ver o filho chegando maltrapilho, corre ao seu encontro, abraça-o, beija-o, restaura-o e festeja a sua volta, dizendo: este meu filho estava perdido e foi achado, estava morto e reviveu. Essa é a maneira como Deus trata aqueles que, quebrantados, se voltam para ele. Ele é rico em perdoar e tem prazer na misericórdia. Deus não despreza o coração quebrantado. Jesus disse que todo aquele que vem a ele, jamais o lançará fora. Que a nossa família seja um lugar de perdão e cura, de restauração e reconciliação!

(Lição 31 do livreto devocional 'CADA DIA' do Pr Hernandes Dias Lopes, publicado pela Editora LPC).

sábado, 20 de janeiro de 2018

Família, palco dos maiores dramas


 “… estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou” (Gn 4.8).

Não existem famílias perfeitas. Desde que o pecado entrou no mundo, todas as famílias têm seus dissabores. Na família de Adão e Eva, Caim matou Abel. Na família de Noé, houve embriaguez. Na família de Abraão, houve impaciência e mentira. Na família de Isaque houve mentira e traição. Na família de Jacó houve ódio e inveja. Na família de José houve netos assassinados como ladrões. Na família de Eli, houve filhos adúlteros. Na família de Samuel, houve filhos avarentos. Na família de Davi, houve estupro, assassinato e conspiração. Na nossa família, também há problemas. Alguém já disse que se não fosse a tempestade lá fora, ninguém suportaria o cheiro dentro da nossa arca. Mesmo não tendo famílias perfeitas, precisamos amar e investir na família que temos. Mesmo com seus dramas, nossa família é o nosso maior tesouro e deve ser o alvo dos nossos melhores e maiores investimentos. Cuide de sua família. Ame sua família. Tenha tempo para sua família. Proteja a sua família. Convoque sua família para buscar a Deus. Lidere sua família pelos caminhos da obediência a Deus. Seja exemplo para sua família. Nenhum sucesso profissional, nenhuma riqueza material e nenhuma vantagem deste mundo compensa a perda de sua família. Valorize-a, pois ela é o seu maior patrimônio!

(Lição 30, do livreto devocional 'CADA DIA' do Pr Hernandes Dias Lopes publicado pela Editora LPC).

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Namoro Cristão: como escolher?



O namoro cristão é um tema de suma importância e merece reflexão, pois, envolve e pode comprometer o futuro das pessoas. Para algumas pessoas,  existe uma pessoa ideal, que combina em tudo conosco, que nos ama de verdade e até morrerá por nós.
Sabemos que na prática não é bem assim.  Existem namoros que parecia que dariam certo e não deram. E outros, que estava claro que não dariam certo,  mas, as pessoas insistiram em casar e brigam muito ou se separaram.

Como em todas as decisões do Cristão, entendo que o namoro, também deve ser precedido de oração.  Isto, porque nós não somos oniscientes como Deus, para conhecer o coração das pessoas e alguns conseguem se disfarçar muito bem. Se a outra pessoa está apaixonada,  o disfarce fica mais fácil ainda.
Pois bem, o que o jovem cristão deve fazer antes de namorar?

1) Deve orar a Deus,  para que Ele coloque em seu caminho a pessoa certa e afaste as pessoas erradas.

2) Se começar a se interessar por alguém,  deve continuar orando, pedindo a Deus discernimento,  para perceber se aquela pessoa tem ou não a aprovação de Deus. Tenho certeza que Deus vai falar de alguma forma: seja em profecia, sonho, atitudes da pessoa, aviso dos pais ou amigos, etc. Deus não deixa enganado aquele que tem intimidade com Ele.

3) Deve estabelecer critérios de observação, para a pessoa que você está interessado ou para quem estiver interessado em você:

a) Esta pessoa serve a Deus de verdade?

b) Esta pessoa tem algo em comum com você? Claro que as pessoas são diferentes e você não não vai achar alguém exatamente igual a você,  que goste de tudo o que você gosta. Nem irmãos gêmeos são assim. Mas,  as diferenças não podem ser gritantes, a ponto de impossibilitar a convivência.

c) Como é o relacionamento desta pessoa com a família e amigos? Lembre-se de que alguém que não respeita pais, irmãos e amigos não irá lhe respeitar.  É amável  e sociável?  Ou é uma pessoa isolada do mundo, que ninguém consegue chegar perto? Cuidado! Pessoas com vocação para serem monges e freiras não devem casar.

d) Como é a vida profissional desta pessoa? Trabalha ou é sustentado pelos pais? Se não trabalha,  pelo menos estuda? Quais são os planos dele (a) para o futuro?

e) Qual é a chamada desta pessoa na obra de Deus? Tem a ver com a sua? Se ele tem chamada para o Ministério, você (no caso das moças) está disposta a ser esposa de pastor? Se você (no caso dos rapazes) sente de Deus a chamada para o Ministério,  acha que esta pessoa irá contribuir ou prejudicar o seu Ministério?

4) Esteja atento a todas as possíveis respostas: de Deus, dos seus pais e amigos, pois,  eles vêem melhor do que você,  amam você e só querem o seu bem. Jamais insista em começar, ou continuar um namoro, que está claro que não dará certo, pensando em mudar a pessoa depois que casar.

Acho que estes quesitos irão ajudar muito àqueles que pretendem namorar, mas, estão na dúvida. Eu concordo plenamente,  que crente só deve namorar se tiver a intenção de casar.  Namoro sem propósito não é coisa de Cristão e certamente, não acabará bem.

Pb. Weliano Pires

O sexo é uma dádiva Deus


“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros” (Hb 13.4).

A sociedade idolatrou o sexo ao mesmo tempo que o banalizou. Enquanto uns encaram o sexo como tabu, outros vulgarizam-no. Deus criou homem e mulher, macho e fêmea, com a capacidade de dar prazer e sentir prazer. O sexo não é sujo nem pecaminoso. É santo, puro e deleitoso. Porém, Deus instituiu o casamento para ser o ambiente legítimo para o desfrute desse privilégio. O sexo antes do casamento é fornicação. Aqueles que entram por esse caminho estão debaixo da ira de Deus. O sexo fora do casamento é adultério e só aqueles que querem se destruir cometem tal coisa. O sexo entre pessoas do mesmo sexo é algo contrário à natureza, um erro, uma paixão infame. O sexo no casamento, porém, é uma ordenança divina. Marido e mulher tornam-se uma só carne. Podem e devem desfrutar a largos sorvos, as delícias da vida conjugal. O casamento é digno de honra e a relação sexual entre marido e mulher deve ser sem mácula. A pornografia é um atentado contra a excelência da relação sexual entre marido e mulher. Nenhum casal deve recorrer a esse vício degradante, pois a pornografia é um vício que deturpa a mente, conspurca o corpo e macula a alma. Concluímos, dizendo que o sexo no namoro é pecado, o sexo fora do casamento é pecado, mas o sexo no casamento é um mandamento.

(Lição 29 do Livreto devocional 'CADA DIA', do Pr Hernandes Dias Lopes publicado pela Editora LPC)

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

O drama da infidelidade conjugal



“O que adultera com uma mulher está fora de si; só mesmo quem quer arruinar-se é que pratica tal coisa” (Pv 6.32).

O casamento é uma aliança de amor e fidelidade entre um homem e uma mulher. Essa aliança é firmada na presença de Deus e ele é a testemunha principal dessas promessas firmadas no altar. A infidelidade conjugal é um atentado à essa aliança. É uma traição amarga, uma punhalada nas costas do cônjuge. A infidelidade conjugal é a principal causa de divórcio, pois além de abrir feridas insanáveis na relação, leva à quebra de confiança. Somente aqueles que querem se destruir cometem tal coisa. O preceito divino é que o cônjuge deve ser um manancial recluso e uma fonte selada. A infidelidade conjugal, apesar de ser a causa de tantas tragédias para a família está sendo promovida e incentivada. Hoje, mais de 70% dos homens e mais de 60% das mulheres já traíram o seu cônjuge até os quarentas anos de idade. Há um colapso nos relacionamentos. Há um estímulo à infidelidade na mídia. As telenovelas e os filmes são produzidos por mentes governadas pelo relativismo moral, que a pretexto de retratar a realidade, promove a decadência moral. Mesmo que a sociedade esteja rendida a essa decadência dos valores morais, conformando-se com esses desmandos, nossa família precisa ser uma trincheira de resistência e manter bem alto o estandarte da fidelidade conjugal.

(Lição 28 do livreto devocional 'CADA DIA', do Pr Hernandes Dias Lopes, publicado pela Editora LPC)