quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

O Cristão pode julgar? 

O Cristão pode julgar?

O versículo mais usado por aqueles que dizem que não devemos julgar é Mateus 7.1: "Não julgueis, para que não sejais julgados".

Que tipo de julgamento, Jesus estava proibindo? Se lermos os versículos seguintes, entenderemos. Neles, Jesus fala de alguém com uma trave no próprio olho, querendo tirar um cisco no olho do seu próximo. Portanto, o que Jesus proíbe é um hipócrita julgar, sem olhar para os próprios erros e se por a vasculhar a vida dos outros, procurando erros, para lhes pronunciar sentença de condenação.

Segundo o dicionário bíblico Vine, a palavra 'julgar' vem do grego 'krino' e significa separar, selecionar, escolher; portanto, determinar e então, pronunciar sentença.

A própria Bíblia nos manda julgar, em vários textos:

1) Julgar os que estão vivendo em práticas pecaminosas e não querem deixar o pecado:
"Porque, que tenho eu em julgar também os que estão de fora? Não julgais vós os que estão dentro?
Mas Deus julga os que estão de fora. Tirai, pois, dentre vós a esse iníquo." ( 1 Coríntios 5.12,13)

2) Devemos julgar aquilo que é pregado, se está de acordo com as Escrituras.
"Examinai tudo. Retende o bem." (1 Tessalonicenses 5.21).

"Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema." ( Gálatas 1.8).

3) Devemos julgar tendo como base a justiça de Deus, não a nossa.
João 7.24: "Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça. "

4) Devemos julgar a origem das manifestações espirituais na Igreja.
1 João 4.1:
"Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, porém, avaliai com cuidado se os espíritos procedem de Deus, porquanto muitos falsos profetas têm saído pelo mundo. "

5) Devemos julgar as profecias:
“E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.” (Coríntios 14.29).

6) Devemos julgar litígios de irmãos na Igreja, para evitar que a causa seja levada à justiça:
1 Coríntios 5.1-5:
"Ousa algum de vós, tendo algum negócio contra outro, ir a juízo perante os injustos, e não perante os santos?
Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas?
Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida?
Então, se tiverdes negócios em juízo, pertencentes a esta vida, pondes para julgá-los os que são de menos estima na igreja?
Para vos envergonhar o digo. Não há, pois, entre vós sábios, nem mesmo um, que possa julgar entre seus irmãos?"

7) Devemos julgar os falsos mestres e falsos profetas.

"Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores."(Mt 7:15). Seria impossível nos acautelar e conhecer esses lobos disfarçados, sem julgá-los.

8) Devemos julgar a nós mesmos.
"Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados." (2 Coríntios 13:5).

Conclusão
Não devemos ficar procurando erros em nossos irmãos, para lhes pronunciar sentenças, como se fôssemos juízes. Também não devemos julgar as intenções dos corações, pelas aparências, pois, não somos onisciente como Deus, para conhecer o coração de outra pessoa. Entretanto, não podemos deixar de exercer o julgamento de atitudes, ensinos e profecias que contrariam a Palavra de Deus. A Bíblia nos recomenda a ser cautelosos e examinar (julgar) tudo e reter o bem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário