sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Princípios para um casamento bem sucedido.

Não é fácil ter um casamento bem sucedido e fazê-lo perdurar até à morte, como a Palavra de Deus. Isto porque, embora seja uma instituição divina, o casamento é formado por seres humanos, que têm suas falhas e imperfeições. Além disso, ao contrário do que dizem os filmes e as poesias românticas, não existem ‘almas gêmeas’, que nasceram um para o outro e que correspondam perfeitamente aos anseios do outro. O casamento não vem pronto, ele é construído pelos cônjuges, se quiserem, com a ajuda e direção de Deus. Como não existe uma fórmula mágica, ou um casamento pronto para a aquisição, como se fosse um produto industrializado, resta-nos buscar na Palavra de Deus, orientações para construirmos o nosso casamento no dia-a-dia e fazê-lo com que seja bem sucedido. Baseado em um esboço de uma mensagem que preguei a algum tempo em nossa Igreja, quero compartilhar com vocês, amados irmãos, alguns passos para um casamento bem sucedido:

1) Saiba escolher. Deus nos deu o livre-arbítrio. Podemos e devemos escolher o que fazer, como fazer, se queremos e com quem fazer. No caso do casamento, não é diferente.
Precisamos responder às seguintes perguntas para nós mesmos: Quero casar? Nem todos tem essa vocação. Quem não gosta de dar satisfações da sua vida ou gosta de dormir sozinho, ir pra onde quer, etc. não deve casar. Com quem? Não devemos nos prender a um jugo desigual.
Existem vários jugos que são desiguais.
a) O jugo da fé: Pessoas que tem crenças diferentes. Não pode dar certo, se um é cristão e o outro satanista. Mesmo no Cristianismo há jugos diferentes. Há discrepâncias entre algumas igrejas, que se dizem cristãs. Por exemplo: O marido é da Assembleia de Deus e a mulher da Congregação Cristã. Cada um vai para um lado. Não dá certo.
b) O jugo socioeconômico. Pode acontecer exceção e dar certo, mas a tendência é haver problemas, se um grande empresário, com MBA, poliglota, da alta sociedade, casar-se com uma moça caipira, que não concluiu o ensino fundamental. Como irão frequentar os mesmos lugares? Ele talvez não tenha muitos problemas em visitar a família dela. Mas ela, como acompanhará o marido?
c) O jugo da diferença de idade. Algumas pessoas dizem que o amor não tem idade. Será que não? Imaginem uma mulher de 50 anos, casando-se com um jovem de 18 anos. A princípio, estão apaixonados e tudo são flores. Passados 20 anos, ela terá 70 anos e ele 38. Irão perguntar se ela é a mãe ou a avó dele nas ruas. Estarão preparados para isso? E, outros problemas podem surgir disso.
d) O jugo geográfico. Eu sou Pernambucano e a minha esposa paulista. Não foi muito difícil a adaptação, pois, eu já morava em São Paulo há mais de 10 anos, quando casamos. Mas, para alguém que pretende voltar para a sua terra, precisa estar de acordo com o cônjuge, se ele voltaria. Muitas separações ou infelicidades acontecem por conta disso.

2) Cultive o amor no casamento. Nenhum casamento sobrevive se não houver amor. Mas, amor é diferente de paixão ou afeição. Amor está relacionado ao compromisso que temos com a pessoa amada. A paixão é passageira e normalmente está relacionada ao objeto apaixonante. Seja a beleza física, a voz, os cabelos ou a curiosidade pelo desconhecido. Quando o objeto apaixonante varia, a paixão vai embora e apaixonado diz: “Não amo mais”. Na verdade, ele não é mais apaixonado. O amor é uma escolha que fazemos de buscar identificar e satisfazer as necessidades (não as vontades) da pessoa amada, sem esperar nada em troca.

3) Ore pelo casamento. Ore antes de casar e durante o casamento. Apesar de termos o livre-arbítrio, não somos oniscientes. Precisamos orar, para não comprar gato por lebre. Durante o casamento, o inimigo atua ferozmente, para destruir o projeto de Deus. Se não orarmos ele lança tropeços e destrói o casamento.

4) Cumpra as suas responsabilidades no casamento: Homem: Ame a sua esposa como Cristo amou a Igreja e a Si mesmo se entregou por ela. Coabite com ela com entendimento. Não seja machista. A mulher não foi criada para ser escrava do homem ou ser humilhada por ele. Proveja o sustento do lar, na medida do possível. Não é tolerável, um homem casar e esperar que a mulher o sustente. Ela até pode ajudá-lo, mas essa responsabilidade é do homem. Mulher: Seja submissa ao seu marido no Senhor. Deus constituiu o seu marido como líder do lar. Esta submissão, no entanto, deve ser voluntária e por amor. Uma coisa que tem destruído muitos casamentos na atualidade é a falta de submissão das mulheres à autoridade do marido. Influenciadas pelo feminismo, muitas tem desrespeitado o marido e consequentemente, separam-se dele.

5) Tenham projetos em comum. Troque o “EU” pelo “NÓS” e o “MEU pelo “NOSSO”. Depois que casamos, os projetos passam a incluir os dois e não mais um. É inadmissível um marido ter posses separadas da esposa. Tudo deve ser dos dois. Pode ser administrado por ele, mas, pertence a ambos. No momento de decidir o que fazer, tem que haver concordância.

Tenho certeza que se aplicarmos estes princípios à nossa vida conjugal, o casamento será bem sucedido. Deus é sábio e o que Ele estabeleceu, fê-lo para dar certo. Se alguma coisa não vai bem em nossos casamentos, façamos uma análise minuciosa e haveremos de constatar que um dos cônjuges ou ambos estão negligenciando e descumprindo o que Deus ordenou.

Deus os abençoe,

Weliano Pires Neto & Márcia Ramalho Pires.

Nenhum comentário:

Postar um comentário