sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Ministro do Trabalho fala sobre a proposta de reforma trabalhista.



O ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira falou sobre a proposta de Reforma trabalhista, em relação à polêmica que surgiu, de que o governo pretendia aumentar a jornada de trabalho para 12 horas.

"Isso não quer dizer que vão ser 12 horas de trabalho todos os dias. É preciso que seja respeitado o limite que está em lei. Serão mantidas as 44 horas de trabalho por semana."

Em linhas gerais, o que a proposta vai trazer é que as convenções coletivas de trabalho determinem como as horas de trabalho serão distribuídas ao longo da semana.
O ministro disse, por exemplo, que alguma categoria pode concordar em trabalhar horas a mais de segunda a sexta, para não ter mais que trabalhar aos sábados. Ele também disse que o governo pretende apresentar dois novos modelos de contrato, além do atual, que é por jornada de trabalho e são contratos por produtividade e por hora trabalhada.
No caso do contrato por hora trabalhada, o FGTS, as férias e o décimo terceiro devem ser pagos de forma proporcional. O ministro falou ainda que é preciso valorizar as negociações entre patrões e empregados em cada área específica.

"Não haverá aumento da jornada semana de 44 horas assim como não haverá o aumento da jornada diária de oito horas. O que caberá à convenção coletiva é referendar o padrão 12 por 36 [horas] ou permitir que o trabalhador faça a jornada de 44 horas em cinco dias", disse o Ministro do Trabalho.

O senador Aloysio Nunes (PSDB/SP), líder do governo no Senado também falou sobre o assunto:

"Já existe em vários setores da economia esse tipo de acordo. Em alguns setores você tem a carga maior de trabalho em um determinado momento compensando com a carga menor em outro momento. No setor de comércio, por exemplo, isso acontece com muita frequência desde que não se exceda o limite fixado na CLT".

http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2016/09/ministro-do-trabalho-fala-sobre-proposta-de-reforma-trabalhista.html

Nota:
Claro que para aqueles que defendem o projeto criminoso de poder do PT, que surrupiaram bilhões de reais dos cofres públicos, deixaram um saldo de 12 milhões de desempregados, levando a nossa economia à bancarrota, o melhor é espalhar mentiras para confundir a população e tentar jogá-la contra o novo governo. Eles fazem isso, com a esperança de voltar ao poder em 2018 e continuar com o projeto criminoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário