sábado, 4 de abril de 2015

O extermínio da Equipe Bike na Guarda Universitária e a falácia das desculpas apresentadas.

 A Equipe de Guardas de Bicicletas (G-BIKE) teve início na gestão Ronaldo Pena. É um trabalho de segurança comunitária, que consiste em rondas de bicicletas, nos lugares onde as viaturas não tem acesso. Nesse trabalho, o agente tem um contato mais aproximado com a comunidade USP, trazendo informações e ao mesmo tempo visualizando locais onde possa haver práticas criminosas, longe do movimento de veículos, como é o caso da Escola de Aplicação, Corredor do Crusp, Corredor da Psicologia, Praça do Relógio e ECA.
Qualquer gestor que pensa em sustentabilidade, economia de recursos públicos, saúde dos funcionários e aproximação entre a Guarda e a comunidade, incentivaria e investiria em um trabalho dessa natureza.
Ainda na gestão do Ronaldo Pena, este setor foi sendo sucateado, chegando ao ponto do Líder, senhor Vicente, comprar peças e pagar a manutenção das bicicletas com o seu próprio dinheiro, para não ver o setor, do qual ele foi um dos pioneiros, acabar.
Com a chegada dos Coronéis, não teve jeito. Eles entenderam que o setor não era prioridade e encerraram, de vez, as suas atividades. Isso causou muita indignação na época, tanto da maioria dos agentes da Guarda, quanto de outros setores da USP, que admiravam este trabalho. Houve muitas críticas aos Coronéis, por conta disso. Inclusive, o então candidato a vice-Reitor, Prof. Vahan, mostrou-se favorável a esse serviço, em conversa com integrantes da Guarda.
Quando a Professora Ana Pastore assumiu, houve um movimento para o recomeço da Bike. Era muito difícil, no entanto, devido à falta de recursos e a indisposição da gestão Zago em gastar. Conseguiram uma doação de várias bicicletas e foi iniciado o trabalho com quatro guardas. No último dia da professora Ana, ela transferiu uma funcionária que integrava a Bike, para outro setor da USP, alheio ao serviço de segurança da USP e, apesar de ter sido pedido um substituto, foi negado, alegando-se, falta de efetivo.
Quando o Professor Visintin assumiu a Superintendência, ele demonstrou não ser favorável a esse trabalho. Porém, após conversas com algumas pessoas sobre o tipo de trabalho que era realizado, foi convencido a não acabar. Entretanto, o trabalho foi ficando cada vez mais precário, negando-se até mesmo a manutenção das bicicletas.
O que ficou claro, é que já faz algum tempo que a Equipe Bike perdeu a razão da sua existência. Desde então, buscavam motivos para acabá-la. O serviço de segurança com bicicletas é um serviço necessário e bem visto pela comunidade USP, como falei anteriormente.. Eu vi isso de perto, durante o tempo em que fiquei na Bike. Entretanto, na visão míope de alguns chefes, ela é desnecessária. Pelo que entendi, aceitaram que a Bike fosse implantada novamente, com um objetivo especial: beneficiar uma pessoa apadrinhada do Guaracy, que era assessor da Professora Ana Pastore. Como esta pessoa foi transferida numa canetada e sem permuta, perdeu-se a razão da Bike continuar existindo. Porém, ninguém queria assumir o ônus de ser o exterminador de um setor, do qual se fez tanta propaganda e criticaram tanto os Coronéis por haverem acabado.
Ficaram procurando, então, motivos para acabar. Transferiram alguns ‘amigos’, sem vir ninguém para os seus lugares, para unidades onde supostamente há 'enorme demanda' e, inevitavelmente, o setor operacional do Campus do Butantã ficou desfalcado.
Pronto! Agora acharam um motivo para acabar com a Bike. Alegaram que precisavam de guardas nas equipes operacionais e por isso, teriam que usar os três integrantes da Bike. A Bike recomeçou a pedido do Guaracy, para que pudesse beneficiar uma pessoa. Agora que esta pessoa saiu, os chefes não veem porque manter a Bike. O que eu estou criticando, não é o fato de acabarem a Bike. Se isso fosse uma necessidade operacional, tudo bem. O que estou criticando, são as desculpas esfarrapadas que usaram, para justificarem o injustificável.
Vejamos:
A desculpa:
Falaram que estão acabando a Bike porque não têm efetivo suficiente, para trabalhar nas equipes nos finais de semana.
A realidade:
Não tem efetivo, porque:
1) Transferiram dois guardas da Equipe 01 para o litoral, sem justificarem a demanda daquele local e sem vir ninguém para o lugar deles. (Compreendo a necessidade dos servidores, que moram lá e seriam beneficiados com a transferência. Não estou criticando isso);
2) Transferiram de uma só vez, dois chefes da equipe 01 e um funcionário do setor de Frota, para a Faculdade de Saúde Pública, sem que ninguém os substituísse;
3) Transferiram uma funcionária da Bike, para um setor fora da Guarda, cujo serviço não tem nenhuma relação com a segurança da USP ou com a função, para a qual fora contratada;
4) Transferiram um funcionário da Segurança Institucional (Reitoria) para o MAC Ibirapuera, sem vir ninguém para o seu lugar;
5) Transferiram outro funcionário da Segurança Institucional para Lorena, sem vir ninguém para o seu lugar, ignorando todos os pedidos de transferência feitos por outros servidores, para aquela unidade;
6) Transferiram um funcionário da equipe 01, para a Chefia da Central de Rádio, sem vir ninguém para o seu lugar;
7) Transferiram um funcionário da Central para o Museu Paulista, sem justificativa e sem ninguém o substituir;
8) Transferiram um funcionário da USP Leste, que deveria vir para o Butantã, para a Faculdade de Saúde Pública, onde já havia inchaço evidente no efetivo;
9) Transferiram um funcionário da Equipe 02 para a FSP, sem substituição;
10) Transferiram um funcionário da Equipe 01 para o setor de alarmes sem substituição;
11) Transferiram um funcionário da equipe 03 para o setor de monitoramento, onde já havia vigias trabalhando e dispensa a presença de um guarda;
12) Transferiram o chefe do Quadrilátero da Saúde, para trabalhar à noite, no Parque Cientec, uma unidade que não tem eventos nesse horário e tem vigilância local, ignorando também, um pedido de transferência feito anteriormente por outro guarda, que mora próximo ao local e teve o seu pedido negado.
Onde estão as alegadas prioridades? Qualquer pessoa, que conhece o Campus do Butantã, sabe onde estão essas prioridades. É exatamente nos lugares de onde tiraram os agentes citados. O interessante, é que no setor administrativo há Guardas que já foram líderes de equipe e conhecem bem o trabalho da rua, fazendo serviços burocráticos do nível básico. Mas, ninguém olha naquela direção, quando precisa de efetivo. No Setor Institucional também, há Guardas trabalhando a noite, em um prédio que fica fechado e onde há vigilância. Mas, ninguém quer mexer lá.
O problema da Guarda não é falta de pessoal O que há é falta de gestão e de planejamento. A Guarda tem mais de 100 agentes e menos de 50 estão na rua. Há algo de muito errado nisso. Para piorar, saíram cinco pessoas da Guarda no PIDV e não será contratado ninguém, para lhes suprir as vagas. Algumas, não farão nenhuma falta, pela irrelevância dos seus 'serviços' à Segurança da USP. Na verdade tirarão um peso, da Folha de pagamento da USP.
Sempre que falamos em transferências de funcionários, falam de prioridades operacionais e necessidades do servidor. A verdade, é que apenas as transferências de apadrinhados são prioridades. Quem não tem padrinho, nunca terá prioridade. Só será transferido se prestar novo concurso.
A questão da suposta falta de efetivo na Guarda é antiga. Contratou-se muita gente, de 2006 a 2010 e mesmo assim, ela se agrava a cada dia que passa. Isso principalmente, pelas 'boquinhas' arrumadas para os ‘amigos dos chefes’ e para chefes que não deram certo. Esses quando saem dos seus cargos, nunca vão para a rua como Guarda. Sempre arrumam um lugarzinho para acomodá-los.
Como diria Boris Casóy:
-Isto é uma, vergonha!
Weliano Pires
Agente de Vigilância da Guarda Universitária