sábado, 12 de novembro de 2011

O Calote da prefeitura de OSASCO

A carta abaixo foi enviada aos Excelentíssimos Senhores Vereadores do município de Osasco, denunciando o calote que a prefeitura de Osasco aplicou nos moradores do bairro Colinas do Oeste.

Excelentíssimos Senhores Vereadores da Cidade de Osasco,
O meu nome é WELIANO PIRES NETO. Moro em Osasco, no bairro Colinas do Oeste, desde 2005. Eu construí com muito sacrifício, uma moradia neste bairro, em terreno da prefeitura, a qual nos cadastrou e autorizou-nos a construir. Cerca de dois anos depois de mudar-me para Osasco, a prefeitura mudou de idéia e informou em reunião com os moradores, que iria construir apartamentos do PAC para os moradores e iria, portanto, demolir as nossas casas. Para isso, deveríamos deixar as nossas casas e alugar uma moradia, ou morar com parentes, que a prefeitura se comprometia a custear o valor mensal de R$ 300,00, para o aluguel. Tive muita dificuldade para encontrar uma locação por este valor, mas, um amigo alugou-me. Estou nesta casa a mais de dois anos. Durante este período, várias vezes a prefeitura atrasou o pagamento, obrigando-nos a custear o aluguel do nosso próprio bolso. Depois de alguns dias de atraso, acabávamos recebendo.
A situação tem se agravado nos últimos meses. No mês de outubro, quando fomos buscar o cheque, fomos informados de que a prefeitura havia mudado a forma de pagamento. Teríamos que providenciar cópias dos nossos documentos pessoais e do proprietário do imóvel alugado, para que o pagamento fosse feito diretamente na conta deste. O problema é que já fizemos isso e fomos informados de que a prefeitura só irá pagar em dezembro.
Já reclamei por telefone e por e-mail, mas a Secretaria de Habitação não me responde. Expliquei para o Senhor Secretário que não recebo mensalão, não possuo cartões corporativos, não recebo propinas do DNIT, nem tenho ONGs para desviar dinheiro público e, portanto, não tenho condições de custear este aluguel, que é de responsabilidade da prefeitura. Na última reclamação, mandei uma cópia para os senhores vereadores, pois, são nossos representantes e têm a função de legislar e de fiscalizar o poder executivo. O nobre vereador Jair Assaf mandou um requerimento à Câmara de vereadores, cobrando explicações, porém até este momento, ninguém resolveu nada. Não sei mais o que fazer. Centenas de pessoas estão nesta situação. Uma amiga nossa disse na Igreja ontem, que chegaram a lhe sugerir, que ela recebesse o seu terreno de volta. Ela perguntou sobre a casa que ela tinha no local e lhe informaram que não poderiam fazer nada a respeito. Como diz o Bóris Casóy: “ISTO É UMA VERGONHA”!
Solicito a ajuda de Suas Excelências, pois, não temos a quem recorrer.

Atenciosamente,
WELIANO PIRES NETO.


terça-feira, 8 de novembro de 2011

CARTA ABERTA AO REITOR DA USP

Magnífico reitor da USP,

Sou funcionário da reitoria e gostaria de parabenizá-lo, pela desocupação do prédio da reitoria. Estes rebeldes sem causa, estão passando dos limites e ameaçando o estado democrático de direito. Não se trata de movimento estudantil. O movimento estudantil defende as causas da educação, da ética na política e da democracia. O que se viu nesta e em outras ocupações que essa gente promoveu na USP foi depredação do patrimônio público, vandalismo, agressão a funcionários, repórteres e nestas últimas à Polícia Militar e Civil. Estas pessoas se acham acima da lei. Foram derrotados em votação feita entre eles mesmos na Administração da FFLCH. Não aceitando o resultado, resolveram invadir e ocupar a reitoria.

Vossa Magnificência fez muito bem em acionar a justiça, para a devida reintegração de posse. A Justiça Paulista, por sua vez, fez muito bem ao aplicar a lei e conceder a reintegração de posse, dando tempo mais do que suficiente para os alunos deixarem o prédio. Porém, concedeu o direito à USP de utilizar a força se necessário fosse, o que se comprovou ser necessário. Ao ver a reportagem e as imagens, causou-me indignação, ver os alunos da USP agredindo jornalistas com tijolos, prédios pichados e equipamentos de uso dos funcionários, quebrados. Li no portal MSN que a Polícia encontrou dentro da reitoria várias bombas caseiras. Lamentável.

Mais deprimente ainda é saber que o nosso sindicato, que deveria defender a Universidade e a causa dos funcionários apoiou e incentivou toda esta patifaria. Deveriam ter sido processados e indiciados os diretores do Sintusp Magno, Neli, Pablito e Brandão, por co-autoria nestes crimes, uma vez que eles estavam lá, fazendo apologia à violência e ao uso de drogas dentro do Campus, e apopiando toda a ação dos alunos.

Agradeço a atenção dispensada,
Weliano Pires Neto
Funcionário da Reitoria da USP.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Continua a irresponsabilidade na prefeitura de Osasco

Senhor Secretário,

Dirijo-me ao Senhor mais uma vez e espero que desta vez o Senhor me responda, visto que das outras duas vezes que escrevi não obtive nenhuma resposta desta secretaria.
O que ocorre comigo é uma tremenda irresponsabilidade e falta de respeito da Secretaria comandada pelo senhor, para com o munícipe. Veja:
A prefeitura, contra a minha vontade, mandou derrubar a minha casa, que eu construí com muito esforço e mediante a autorização dela. Nas reuniões, nos disseram para alugar uma casa, que a prefeitura iria pagar R$ 300,00 mensais para o aluguel. Inicialmente este valor era pago no ia 5 de cada mês. Sem nenhuma justificativa ou sem pedir a nossa opinião, mudaram para o dia 17. No último dia 17 de outubro a minha esposa Márcia da Silva Ramalho, cujo nome por determinação da secretaria é o titular do cadastro, foi buscar o cheque. Disseram-lhe que ela deveria trazer a cópia dos seus documentos (mais uma vez) e dos documentos do proprietário da casa. A entrega deveria ser feita às terças ou quintas - feiras, no canteiro de obras. Na terça-feira (01/11) ela foi e disseram que não havia ninguém da habitação trabalhando e que eles não sabiam o motivo. Ontem (03/11) a minha esposa retornou ao canteiro de obras e obteve a informação de que só iriam pagar em dezembro. Isto é uma afronta a nós Senhor secretário! Amanhã eu terei que pagar o aluguel. O que vou dizer para o proprietário? Que em dezembro eu pago? O mês passado, eu paguei do meu salário esperando receber da prefeitura e repor. Isto não aconteceu. O que vamos fazer? Há moradores que estão desempregados. Eu estou trabalhando, porém, não posso tirar do sustento dos meus filhos, para pagar uma conta que é de responsabilidade da prefeitura. Além disso, eu não recebo mensalão, não tenho cartão corporativo, não recebo propinas no DNIT, não recebo verbas públicas por meio de ONGs e não tive o meu patrimônio aumentado em 20 vezes. Portanto não disponho de dinheiro para pagar este aluguel e exijo mais respeito para conhosco.

O nobre vereador Jair Assaf enviou requerimento à Camara Municipal pedindo explicações sobre este caso. Espero ter esta explicação. Embora para mim, a única explicação que me interessa é a prefeitura pagar o que deve. Se não o fizer, terei que fazer esta reclamação pelos jornais ou por via judicial.

Atenciosamente,
Weliano Pires Neto.

Irresponsabilidade no bolsa-aluguel em Osasco

Prezado Secretário,

O meu nome é Weliano Pires Neto. Sou morador do bairro Colinas do Oeste. Morei em São Paulo durante treze anos e no ano de 2005, mudei-me para Osasco, passando a morar no referido bairro. Comprei à época um barraco de madeira, com cadastro da prefeitura e nas reuniões que se fizeram na época disseram que aquele local seria legalizado e portanto, poderíamos construir as nossas casas. Com muito trabalho e gastando o que não podia, consegui construir dois cômodos e uma garagem, não podendo entretanto, dar acabamento, por falta de dinheiro.
Para a minha surpresa, em 2008, a prefeitura mudou de opinião e disse que teríamos que deixar o local, pois seriam construídas moradias do PAC. Em 2009, mesmo contra a minha vontade, tive que sair da minha casa, para a prefeitura mandar derrubá-la, indo para o bolsa aluguel, recebendo mensalmente o valor de R$ 300,00. Confesso que foi difícil achar uma casa para alugar por este valor. Mas, um amigo meu alugou-me e já estou lá a três anos.
Durante todo esse tempo, aconteceram vários atrasos no pagamento. Para não ficar mal perante o proprietário, tive muitas vezes que tirar do meu salário, com dificuldade, para pagar o aluguel, para depois receber da prefeitura. Até enviei um e-mail para o Senhor e fiz algumas reclamações por telefone. O pagamento inicial era feito todo dia 5 de cada mês e posteriormente passou para o dia 17, sem nenhuma justificativa.
No último dia 17, a minha esposa foi ao canteiro de obras da CONSTRUCAP buscar o cheque e foi surprendida com a informação de funcionárias desta Secretaria, de que a partir de agora, teríamos que enviar cópias dos documentos do proprietário da casa, para que o dinheiro seja depositado diretamente na conta dele. Falaram ainda que não iriam pagar o aluguel deste mês, pois segundo elas no primeiro mês recebemos dois meses. É verdade que recebemos dois meses, porém este dinheiro foi usado para o adiantamento que é comum em toda locação de imóveis. No último mês é descontado. Como podem querer descontar agora? Como vamos pagar o aluguel? E aqueles que moram de favor que ajudam os familiares com esse dinheiro?
Um outro problema são os critérios usados para a entrega dos apartamentos. Nas reuniões nos disseram que quem saiu primeiro, voltaria primeiro. Disseram ainda que as casas seriam para idosos, deficientes e pessoas com quantidade maior de filhos. Pois bem, há inúmeras pessoas que sairam depois de mim que já receberam a sua casa. Alguns nem tem filhos e receberam casa no térreo. Isto é uma incoerência. Houve até morador que me sugeriu procurar alguém e pagar propina. Porém, isso vai contra os meus princípios. Não quero acreditar que a prefeitura adote tal postura.

Solicito desta secretaria, analisar os fatos e verificar o que pode ser feito para melhorar a situação dos moradores.
Atenciosamente,
Weliano Pires Neto.