domingo, 8 de agosto de 2010

O PT, a oposição e as Farc.

Talvez um dia o jornalismo se recupere da praga do aspismo. Por enquanto, vive a fase da tragédia informativa. Leio no G1 que a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, afirmou que “a oposição também recebeu as Farc”. Indagada sobre o fato de ter requisitado a mulher do terrorista Olivério Medina para trabalhar no Ministério da Pesca, ela afirmou:

“É bom a gente lembrar, e é só fazer pesquisa nos jornais e ver quantas vezes a oposição também recebeu as Farc. Aliás, até o presidente Fernando Henrique Cardoso, se não me engano, soltou o marido [Olivério Medina] dessa senhora [Ângela Slongo], foi ele quem soltou no Brasil o marido dessa senhora. Então é uma questão muito relativa. Não vou usar esses fatos para ficar especulando uma relação entre a oposição e as Farc. Agora, se a oposição quer fazer isso, acho que é uma atitude que não é correta”, disse a petista.

Pesquisa
Então! Basta mesmo fazer a pesquisa! Em 2000, não foi FHC quem libertou o terrorista Medina, mas a Justiça, que é outro Poder, Dilma! Comitês em favor de sua soltura se espalharam pelo Brasil, todos liderados por petistas.

Em 2005, ele foi preso novamente, e quem reconheceu, em 2006, a sua condição de “refugiado”, o que é um escândalo, foi o Comitê Nacional para Refugiados, órgão do Ministério da Justiça — do Ministério da Justiça do governo Lula!!!

Os “encontros” a que Dilma se refere são uma bobajada que lhe foi soprada pelos blogueiros a soldo do PT: em 1999, um representante do grupo esteve com o então deputado Tuga Angerami (PSDB-CE) e com o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM). Estaria interessado em abrir um escritório no Brasil para que o país intermediasse um suposto acordo de paz. E isso é tudo. Isso é “relação”? Não é!

- Relação é criar um foro internacional com os companheiros narcoterroristas. E o PT criou;
- relação é receber o companeiro narcoterrorista em palácio. E o PT recebeu, como sabe Olívio Dutra;
- relação é manter um encontro com os companheiros narcoterroristas numa chácara de Brasília, e o PT manteve;
- relação é assinar um requerimento, como assinou Dilma, requisitando o trabalho da companheira do companheiro narcoterrorista;
- relação é saber que esse requerimento foi parte de uma operação política para garantir a “segurança” da companheira do companheiro, conforme o próprio Medina relata em e-mail ao chefão terrorista Raúl Reyes;
- relação é haver altas autoridades do governo Lula listadas no computados do narcobandido como amigas das Farc.

Para encerrar
A reportagem do G1 refere-se assim a Medina:
“Olivério Medina, acusado de homicídio e terrorismo na Colômbia e suposto “embaixador” das Farc no Brasil”.
Eu adoro esse “suposto”. SUPOSTO POR QUÊ?

Os e-mails do laptop do narcoterrorista pançudo Raúl Reyes traziam a correspondência com Medina. Fica claro que ele é o representante das Farc no Brasil. Ou melhor: ele é UM membro do comando das Farc que está no Brasil. Medina é chefão da organização.

Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário:

Postar um comentário